WHATSAPP LANÇA RÓTULO VERMELHO PARA MENSAGENS SUSPEITAS, APÓS LINCHAMENTOS NA ÍNDIA.

WHATSAPP LANÇA RÓTULO VERMELHO PARA MENSAGENS SUSPEITAS, APÓS LINCHAMENTOS NA ÍNDIA.

Mensagens fraudulentas amplamente distribuídas enviadas pelo aplicativo, que o Facebook possui, foram responsabilizadas por mais de uma dúzia de linchamentos em toda a Índia. O Facebook implantou uma série de novos recursos nas últimas semanas para tentar resolver o problema.

O último recurso, lançado na semana passada para testes, usa um rótulo vermelho para avisar os usuários de que um link para o qual foram enviados é suspeito. Essas alterações no WhatsApp fazem parte de um esforço muito maior do Facebook (FB) para controlar seu papel na disseminação de desinformação.

As ações do Facebook despencaram 19% na quinta-feira, depois que executivos alertaram que o crescimento da receita diminuiria à medida que a empresa se concentrasse na privacidade dos usuários, vaporizando US $ 119 bilhões em valor de mercado.

“O Facebook está enfrentando atualmente um problema global de confiança”, disse Nikhil Pahwa, co-fundador da Internet Freedom Foundation, da Índia. “Os reguladores não confiam neles neste momento porque eles permitiram que certas atividades apodrecessem sem lidar com isso.”

O Facebook atraiu anteriormente a atenção do governo indiano em 2016, quando foi criticado por oferecer um serviço gratuito de internet conectado a apenas um número limitado de sites (incluindo o Facebook). Chamado Free Basics, o programa foi abatido pelo governo indiano porque violou a neutralidade da rede.

Desde então, a atenção voltou-se para o WhatsApp, que o Facebook comprou em 2014.

O WhatsApp introduziu pelo menos quatro novos recursos durante o mês passado que são projetados para combater as mensagens em massa de rumores que alimentaram a violência e os assassinatos na Índia, o maior mercado do serviço com mais de 200 milhões de usuários.

De acordo com o site do WhatsApp, seu último recurso de teste “executa automaticamente verificações para determinar se um link é suspeito” e aconselha os usuários a terem cautela ao receber e abrir links.

O WhatsApp começou anteriormente a rotular mensagens para indicar que foram encaminhadas em vez de serem compostas pelo remetente. Também está testando limites em quantos chats (indivíduos ou grupos) uma mensagem pode ser enviada simultaneamente – 20 para o resto do mundo, cinco para a Índia.

Os anúncios em jornais, que contêm dicas como “verificar informações que parecem inacreditáveis” e “ser cuidadoso com o que você compartilha”, começaram a aparecer em jornais nacionais e regionais em nove estados indianos no início deste mês.

Provocados por rumores de rapto de crianças, os assassinatos da máfia continuaram. O mais recente ocorreu há duas semanas, depois que alguns dos novos recursos do WhatsApp foram lançados.

O WhatsApp se recusou a comentar essa reportagem, mas disse em uma carta ao governo no início deste mês que estava “horrorizada com esses terríveis atos de violência” e que “trabalharia proativamente para evitar o uso indevido” de sua plataforma.

O governo indiano acusou o Facebook e o WhatsApp de não fazer o suficiente para combater a disseminação da desinformação.

“As plataformas de mídia social estão sendo abusadas como um veículo para o armamento de informações”, disse o ministro da tecnologia da Índia, Ravi Shankar Prasad, na quinta-feira.

A Prasad destacou o tratamento dado pelo Facebook aos dados de usuários indianos relacionados ao escândalo Cambridge Analytica e ao papel do WhatsApp em linchamentos.

Ele reconheceu os passos que o WhatsApp tomou para combater a disseminação de rumores, mas disse que as medidas “não são adequadas para enfrentar os desafios da situação”.

Pahwa, que ajudou a liderar a luta contra o Free Basics, saudou a mais recente ação do WhatsApp para denunciar links suspeitos, mas disse que não vai longe o suficiente.

“Você vê uma manifestação do mesmo problema no Twitter – as pessoas só vêem o texto e não clicam no link”, disse ele. “Eu realmente não vejo isso abordando questões de desinformação”.

O WhatsApp deve permitir que os usuários escolham se uma mensagem pode ser encaminhada e rotular cada mensagem encaminhada com uma atribuição ao compositor original, sugeriu Pahwa.

É improvável que a pressão do governo indiano diminua tão cedo, particularmente antes das eleições nacionais em 2019.

O WhatsApp já está trabalhando com a Comissão Eleitoral da Índia e vários partidos políticos para “evitar o uso indevido” da plataforma, disse um porta-voz da empresa em um comunicado.

“Na Índia, o governo parece muito preocupado com as eleições e o impacto que desinformação e desinformação estão tendo nas eleições”, disse Pahwa. “Minha sensação é que eles estão procurando agir muito rapidamente e regulamentar plataformas como o Facebook”.

Fonte: CNN

Sobre o Autor

Talvez você também goste

Polícia 0 Comentários

Polícia Civil do Rio revela identidade de acusado do ataque ao Porta dos Fundos

Em coletiva, o delegado Marco Aurélio de Paula Ribeiro acaba de revelar a identidade do acusado de participar do atentado à produtora do Porta dos Fundos: trata-se do presidente da

Notícias 0 Comentários

CAMINHONEIROS ARTICULAM PARALISAR CONTRA DECISÕES DO STF

Uma possivel paralisação de caminhoneiros, poderá acontecer em resposta às manobras do STF para enterrar a Lava Jato. Defendida por Ramiro Cruz, que se reuniu com Jair Bolsonaro alguns meses

Destaques 0 Comentários

Mais de 8 mil inscritos no Mais Médicos vão atuar imediatamente

O Ministério da Saúde informou ontem (29) que mais da metade das vagas preenchidas no Programa Mais Médicos estão em regiões de alta vulnerabilidade e de extrema pobreza. De acordo

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Você pode ser o primeiro a comente este post!

Deixa uma resposta