SOB COMANDO DA INTOLERÂNCIA A BLITZ ARRECADATÓRIA EM RONDONÓPOLIS

SOB COMANDO DA INTOLERÂNCIA A BLITZ ARRECADATÓRIA EM RONDONÓPOLIS

Uma forte operação do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) com apoio do Batalhão de Trânsito da Polícia Militar e policiais da Delegacia Especializada de Delitos de Trânsito de Cuiabá (Deletran).  Foi deflagrada na terça-feira 31 em Rondonópolis e deve durar por sete dias.

Segundo os órgãos de segurança trata-se de uma operação para combater a criminalidade e aumentar a segurança da população.

Mas na verdade é uma operação para multar e apreender veículos com impostos vencidos. Com uma grande mobilização de policiais e agentes de trânsito, que atuam com rigor ,o governo tenta por todos os meios levantar recursos para quitar folha salarial, fazer repasses de duodécimos, manter o custeio da máquina e investir, a ordem é fechar o cerco, para nada mais absolutamente nada escapar e arrecadar do contribuinte em divida com o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) e seguro obrigatório atrasados.

Equipes utilizam o radar móvel OCR (sigla em inglês de Optical Character Recognition, que em tradução livre significa leitura ótica dos caracteres de placas veiculares).

Enquanto os assaltos reinam em todo o estado, policiais militares são destacados para fazerem blitz em com único objetivo arrecadar dinheiro para os cofres do Governo do Estado. As blitz com finalidade única de arrecadação não irão contribuir para que as forças de segurança consigam combater a criminalidade. Precisamos usar a polícia para prender marginais e que as penitenciárias fiquem cheias, mas não se puna o cidadão de bem.

Nota-se que não há preocupação primordial da Polícia Militar com a segurança da população na realização dessas blitz.

A polícia é competente e formada por cidadãos de bem, mas o comandante da operação em Rondonópolis que é da cidade de Cuiabá- Capitão João Santos do Batalhão de Trânsito da Polícia Militar, está longe dessas virtudes afinal foi totalmente abusivo e grotesco ao abordar um veiculo e solicitar a documentação, uma vez que o veiculo e o motorista encontrava-se totalmente regular, o capitão utilizou de sua autoridade para constranger o motorista, numa total demonstração de falta de liderança, tentando impor medo aos cidadãos Rondonopolitanos.

Lugar da polícia é dando segurança à população nas ruas, vilas e favelas, não em blitz de veículos.

O povo quer segurança nas ruas, nas portas das suas casas, e não policiais fazendo blitz para tomar o veículo de quem não paga IPVA. Débito de IPVA deve ser cobrado na Justiça não constrangendo cidadãos que na maioria os compram com muita dificuldade, pagando em muitas prestações para ser oprimido com aparato policial.

Assaltos e mortes com armas de fogo se proliferam diariamente nas cidades do mato grosso onde as maiorias das cidades possuem deficiente contingente de policiais, enquanto muitos deles estão sendo usados em blitz que na maioria não levam a nada – a não ser recolher carros com documentação atrasada com o objetivo de engordar a conta bancária do Governo. Os homens e mulheres da briosa e competente Polícia Militar do Mato grosso deveriam ser usados para causas mais nobres.

As blitz com finalidade única de arrecadação não irão contribuir para que as forças de segurança consigam combate à criminalidade. Precisamos usar a polícia para prender marginais e que as penitenciárias fiquem cheias, mas não se puna o cidadão de bem.

 

Redação

Sobre o Autor

Talvez você também goste

PREFEITO DO PARANÁ É FLAGRADO EM SEXO ORAL NO ELEVADOR

O nome oficial do evento é Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, mas, diante de flagrantes episódios de atentado violento ao pudor, a reunião anual bem que poderia se

Notícias 0 Comentários

BEBÊ INDÍGENA ENTERRADA VIVA NO MT GANHA ATENÇÃO DE GALLI E MAGNO MALTA

O Deputado Federal Professor Victório Galli ( PSL /MT) utilizou a tribuna da Câmara Federal, nesta quinta-feira (7), e denunciou o ocorrido na cidade de Canarana (MT), onde uma mãe

DELAÇÃO DE HENRIQUE CONSTANTINO, DONO DA GOL ENVOLVE RODRIGO MAIA E OUTROS

O juiz Vallisney de Oliveira, da 10ª Vara Federal em Brasília, homologou a delação premiada do empresário Henrique Constantino, um dos donos da empresa aérea Gol, em um desdobramento da

1 Comentário

  1. carmem arruda
    novembro 04, 10:43 Responder

    Vai chegando final do ano e eles começam a arrancar dinheiro dos trabalhadores para bancar a ceia farta deles, cambada de sangue-sugas!

Deixa uma resposta