SEGUNDO ESPECIALISTAS QUEIMADAS AJUDAM A BIODIVERSIDADE NO CERRADO

SEGUNDO ESPECIALISTAS QUEIMADAS AJUDAM A BIODIVERSIDADE NO CERRADO

As formigas são consideradas excelentes indicadores do estado de conservação dos ecossistemas. Um novo estudo mostrou que 30 anos de interdição do uso de fogo como método de manejo do Cerrado, a gigantesca savana brasileira, levou a uma perda de 86% da biodiversidade de população de formigas. No mesmo período, e pelo mesmo motivo, a perda de biodiversidade das plantas endêmicas foi de 67%.

Resultados do estudo foram publicados por Giselda Durigan e colaboradores na revista Science Advances.

Professora em programas de pós-graduação em Ciência Florestal na Universidade Estadual Paulista (Unesp) e em Ecologia na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Durigan estuda o Cerrado há mais de 30 anos, e, em sintonia com sua pesquisa científica, vem desenvolvendo um intenso trabalho de convencimento dos tomadores de decisão e da população em geral sobre a necessidade de revisão das políticas impeditivas do uso do fogo.

Ao contrário do “inimigo” demonizado pela má informação, o fogo, desde que utilizado com inteligência, como método de manejo criterioso, é um fator indispensável para a preservação das savanas .

“Sem o manejo pelo fogo, a vegetação se adensa, as copas das árvores sombreiam o solo e as espécies vegetais rasteiras desaparecem. O Cerrado transforma-se em uma floresta pobre, com enorme perda de biodiversidade”, disse Durigan à Agência Fapesp.

Segundo ela, a pesquisa quantificou essa perda em relação às espécies de formigas e plantas. Outros levantamentos, ainda não publicados, mostram que o mesmo processo de destruição está ocorrendo com répteis e anfíbios.

“Além disso, o aumento de biomassa compromete de maneira dramática o regime dos rios. A água que deveria abastecer as reservas subterrâneas e as nascentes passa a ser consumida pela vegetação. Oito das 12 regiões hidrográficas brasileiras têm origem no Cerrado. E oito de nossas 10 maiores hidrelétricas são abastecidas pela água proveniente de lá”, disse Durigan.

“Comprometer a existência do Cerrado é comprometer a água, o recurso hoje mais ameaçado e mais fundamental para a sobrevivência da humanidade. Em apenas cinco décadas, metade do Cerrado já foi perdida. A preservação da parte remanescente exige providências urgentes”, disse.

 

Redação com uol.

Sobre o Autor

Talvez você também goste

RONDONÓPOLIS 0 Comentários

MAZZETE E GALLI GARANTEM MAIS DE R$3 MILHÕES PARA CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO DA UNEMAT

Após a devolução das sobras do duodécimo da câmara de Rondonópolis, aproximadamente R$ 2,7 milhões. O vereador Elton Mazzete (PSC), que já havia indicado com aprovação da câmara os valores

Destaques

Procuradoria dá parecer a favor de ação de cancelamento do registro do PT

O vice-procurador-geral eleitoral Renato Brill de Goés deu parecer pela admissibilidade de uma ação de cancelamento de registro de partido político do Partido dos Trabalhadores. A manifestação foi apresentada no

Notícias 0 Comentários

CRIME AMBIENTAL: IDOSO É DETIDO POR DESCARTE EM ECOPONTO DESATIVADO

Na manhã desta sexta-feira (31) por volta da 11h mais uma pessoa foi detida e conduzida a delegacia em Rondonópolis-MT por crime ambiental. Novamente o local foi o Ecoponto do

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Você pode ser o primeiro a comente este post!

Deixa uma resposta