Pai de bebê indígena resgatada após ser enterrada viva ganha Guarda provisora

Pai de bebê indígena resgatada após ser enterrada viva ganha Guarda provisora

Recém-nascida foi enterrada pela bisavó, no quintal da casa onde família morava. Caso foi registrado em Canarana há pouco mais de um ano.

A Justiça de Mato Grosso concedeu ao pai, que é índio de outra etnia, a guarda provisória da bebê indígena que foi enterrada viva pela bisavó, em junho do ano passado, em Canarana, a 838 km de Cuiabá. A decisão do dia 13 de junho foi confirmada pelo Ministério Público Estadual (MPE).

Analu Paluni Kamayura Trumai estava sob a guarda da Fundação Nacional do Índio (Funai) até que todo o processo fosse concluído. Em setembro do ano passo, Justiça solicitou um exame de DNA para comprovar a paternidade e decidir sobre a guarda da criança.

De acordo com o promotor Matheus Pavão de Oliveira, o resultado do exame foi positivo e comprovou a paternidade.

Na época do fato, quando soube que a recém-nascida tinha sido enterrada viva, o pai já havia manifestado a intenção de ficar com a criança. O indígena afirmou que não sabia da gravidez.

Ainda segundo o promotor, um estudo psicossocial e antropológico foi realizado para avaliar quem teria condições de receber a menina que, atualmente, tem um ano.

“O estudo demonstrou que, caso a guarda fosse concedida ao pai, não haveria nenhum prejuízo para a identidade e a segurança da criança”, explicou ele.

Ele explicou também que o MPE fez um pedido à Casa de Saúde do Índio (Casai) para que o acompanhamento médico que a menina faz seja readequado e não comprometa o tratamento.

“Com relação a essa solicitação, não obtivemos resposta ainda, mas esperamos que não haja problema, pois apesar de não apresentar sequelas, ela precisa de acompanhamento, diante da gravidade do processo que enfrentou”, declarou.

O pai de Analu mora em uma comunidade indígena em Peixoto de Azevedo, a 692 km de Cuiabá.

O resgate

Em 5 de junho do ano passado, a polícia recebeu uma denúncia anônima informando que o bebê havia morrido durante o parto e sido enterrado no quintal de uma casa. Os policiais foram até o local para saber o que tinha acontecido e retirar o corpo e levá-lo ao IML.

Quando a polícia chegou, a família disse que havia enrolado o corpo da criança em um pano e enterrado em uma cova. Entretanto, os policiais foram até a cova indicada pela família e começou a cavar.

Em um vídeo gravado à época, é possível ver o momento que os policiais identificam que a criança está viva e a retiram do buraco que media cerca de 50 centímetros. A recém-nascida ficou enterrada por cerca de 6 horas.

Prisão

A avó do bebê, Tapoalu Kamayura, de 57 anos, e a mãe dela, Kutsamin Kamayura, de 33 anos, foram presas e encaminhadas para a delegacia de Canarana. Posteriormente, tiveram direito a ficar detidas em unidades da Fundação Nacional do Índio (Funai).

G1

Compartilhe:

Sobre o Autor

Talvez você também goste

Mato Grosso 0 Comentários

PRIMAVERA DO LESTE CONSEGUE SE SOBRESSAIR DIANTE A CRISE

O Estado de Mato Grosso vive um momento complicado para a economia. As prefeituras sentiram o impacto do período de transição de governo, momento em que a máquina pública trava

EDUARDO BOLSONARO CONTRA PL DO PT QUE QUER INVIABILIZAR O AGRONEGÓCIO EM MT (VÍDEO)

Uma polêmica gerada pelo petista Lúdio Cabral, está sacudindo o estado de Mato Grosso, isso   porque o representante da esquerda na assembleia legislativa do estado, resolveu bombardear o maior produtor

Mato Grosso 0 Comentários

GALLI E WELLINGTON FAGUNDES FORAM PROTAGONISTAS NA URGÊNCIA DA VOTAÇÃO QUE CRIOU A UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDONÓPOLIS

Com grande colaboração de todos os deputados federais  da bancada do MT, e com o auxilio dos senadores. Finalmente o projeto (PL 5173/2016) de emancipação do campus da Universidade Federal