OPERAÇÃO LAVA JATO: TRF4 NEGA PEDIDO DA DEFESA DO EX-PRESIDENTE LULA PARA QUE ELE SEJA INTERROGADO NO TRIBUNAL

OPERAÇÃO LAVA JATO: TRF4 NEGA PEDIDO DA DEFESA DO EX-PRESIDENTE LULA PARA QUE ELE SEJA INTERROGADO NO TRIBUNAL

O desembargador federal João Pedro Gebran Neto, relator dos processos da Lava Jato no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), negou hoje (16/01) pedido feito pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que ele fosse novamente interrogado, agora perante o tribunal. Para o magistrado, a repetição do ato em segunda instância exigiria o reconhecimento de eventual nulidade do primeiro, o que envolveria o exame de matéria somente passível de deliberação pelo colegiado da 8ª Turma.

A defesa do ex-presidente ingressou com petição no último dia 3 alegando violação, por parte do juízo de primeiro grau, de garantias fundamentais do peticionário, impedindo-o de manifestar-se e de exercer sua autodefesa. Alega que ao jurisdicionado é assegurado o direito de ser ouvido perante órgão imparcial, isento e que possua, por decorrência, posição de equidistância em relação às partes, o que não teria ocorrido.

Ao analisar o pedido, o desembargador Gebran entendeu que a questão não comporta exame de forma monocrática. “Ainda que permitido ao tribunal socorrer-se da prerrogativa contida no art. 616 da Lei Processual Penal, a questão, nos moldes propostos na apelação defensiva, tem natureza de preliminar de mérito, cuja apreciação – seja pela ótica da violação ao princípio da autodefesa, seja em razão da alegada quebra de imparcialidade do juízo condutor da causa -, se dará quando do julgamento do recurso pela 8ª Turma”, escreveu o magistrado em sua decisão.

Gebran lembrou ainda que a previsão contida no art. 196 do Código de Processo Penal, no sentido de que “a todo tempo o juiz poderá proceder a novo interrogatório de ofício ou a pedido fundamentado de qualquer das partes”, não pode ser aplicada, “já que esta se destina à instrução do feito, e não impositivamente ao juízo recursal”.

O desembargador destacou ainda que a jurisprudência da 8ª Turma e de ambas as turmas criminais do Superior Tribunal de Justiça (STJ) traz para o tribunal a faculdade de decidir pelo uso ou não da realização de novas diligências

Assessoria TRF4

Sobre o Autor

Talvez você também goste

Destaques 0 Comentários

Polícia Civil e Ministério Público cumprem 25 ordens judiciais contra desmatamento ilegal

A Polícia Judiciária Civil e o Ministério Público Estadual deflagraram na manhã desta segunda-feira (16.09) a sexta fase da operação Polygonum, para o cumprimento de 12 mandados de prisão e 13

Notícias

Obras de revitalização da Praça dos Carreiros avançam para fase de acabamento

As obras de revitalização e requalificação da Praça dos Carreiros, que irão promover o resgate e a transformação completa do tradicional espaço público na região central de Rondonópolis, avançam com

Notícias

DELEGADO CLAUDINEI É VÍTIMA DE GOLPE E FAKE NEWS

NOTA À IMPRENSA Atenção! Evento “fake” que envolve nome do Delegado Claudinei é golpe O deputado estadual Delegado Claudinei (PSL) vem a público nesta terça-feira (14) alertar que evento “fake”

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Você pode ser o primeiro a comente este post!

Deixa uma resposta