O XADREZ ELEITORAL DA ELEIÇÃO EM 2018

O XADREZ ELEITORAL DA ELEIÇÃO EM 2018

Há, no tabuleiro do xadrez eleitoral, um conflito de visões. No centro, a pergunta: que tipo de campanha, e que tipo de política, levarão ao Planalto, em 2018? No Globo, Merval Pereira aponta: com Lula fora da disputa, os três líderes das pesquisas são Jair Bolsonaro, Marina Silva e Ciro Gomes. Nenhum vem de partido grande.

Nem Bolsonaro, tampouco Marina, estão em busca de alianças para compor tempo de propaganda na TV. Ciro, discretamente, aposta numa união com o PT se chegar ao segundo turno. Mas conta com a distribuição de suas falas pelas redes.

Enquanto isso, a movimentação de PSDB, PT e MDB é no estilo antigo. Para Raymundo Costa, do Valor, os três já fazem o jogo clássico de ano eleitoral. As vozes radicais que agitam os militantes antes da campanha começam a ser abafadas conforme os políticos transitam para o centro em busca de alianças. Lula sutilmente cala o ‘Eleição sem Lula é fraude’.

O movimento de FHC para encontrar um nome de fora implodiu. E o MDB do governo se prepara para uma reforma ministerial na qual terá poder quem prometer apoio nas eleições. O governo Temer conseguiu, até, botar na pauta a segurança pública como tema predominante. Segundo Eliane Cantanhêde, do Estadão, há até uma conversa sobre uma chapa PSDB-MDB, com Alckmin e Meirelles.

Redação com Canal do Meio

Sobre o Autor

Talvez você também goste

Mato Grosso 0 Comentários

COMBUSTÍVEIS EM RONDONÓPOLIS ENTRE OS MAIS CAROS DO BRASIL

O aumento que o governo anunciou na quinta-feira (20) nos impostos: PIS e Cofins cobrados sobre os combustíveis, com objetivo de gerar uma arrecadação extra de 10,4 bilhões de reais

Mato Grosso

Foragidos da justiça são capturados em Rondonópolis e Cuiabá

Policiais militares de Cuiabá e Rondonópolis capturaram de sexta-feira a domingo (19 a 21.06) seis foragidos da justiça. Na primeira ocorrência, em Rondonópolis, no bairro Vila Mineira, os policiais abordaram

Política 2 Comentários

DÓRIA, O LIBERAL QUE ENGANA OS LIBERAIS

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), que se diz ultraliberal, anti-PT e prometeu privatizar ao máximo, diminuir o tamanho do Estado, e acabar com secretarias desnecessárias, revela um

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Você pode ser o primeiro a comente este post!

Deixa uma resposta