NO CENTRO DO ALVO, AÉCIO VAI  DE MAL A PIOR.

NO CENTRO DO ALVO, AÉCIO VAI DE MAL A PIOR.

Em novo depoimento, Joesley Batista disse que repassou R$ 110 milhões a Aécio Neves em sua campanha ao Planalto, em 2014. Segundo o empresário, havia contrapartida: a garantia do senador de que atuaria em favor do grupo J&F.

Sergio Andrade, dono da Andrade Gutierrez, confirmou o repasse de R$ 35 milhões ao político mineiro através de uma empresa do compadre do senador, Alexandre Accioly. Segundo a Polícia Federal, em troca Aécio ajudaria a empreiteira a participar da construção da usina de Santo Antônio, em Rondônia.

Tem também coisa menor. Aécio dirigia uma Land Rover que não estava em sua declaração de renda.

Pertencia à rádio Arco-Íris, a mesma que intermediava uma mesada de R$ 50 mil dos irmãos Batista ao senador. (Neste carro, ele foi detido certa vez na Operação Lei Seca carioca). E o ex-ministro da Justiça, Osmar Serraglio, vai depor perante o Ministério Público confirmando que foi pressionado pelo senador a nomear um delegado da PF que lhe fosse favorável nas investigações a seu respeito.

Ascânio Seleme: “A história de Aécio, apesar da boa carreira, jamais se comparou com a do seu avô. Primeiro, pelas falcatruas em que se viu envolvido. Claro que Tancredo também usou caixa 2 nas suas campanhas.

Na biografia Tancredo Neves, o Príncipe Civil (Amazon), escrita pelo jornalista Plínio Fraga, constata-se que mesmo a campanha do Colégio Eleitoral foi financiada por dinheiro não declarado. Mas para por aí. Há um oceano separando as ações de avô e neto. Esta distância oceânica entre Tancredo e Aécio se dá também em razão do déficit intelectual do segundo. Aécio jamais conseguiu fazer as formulações políticas que Tancredo fazia.

O avô, além de ser um político excepcional, um habilíssimo conciliador e um extraordinário articulador, era um homem de inteligência acima da média. Bem acima da média de seu neto Aecinho. Tancredo leu todos os clássicos e os citava sempre que podia. Não se conhece um título que Aécio tenha lido ou citado.

O senador-réu trocou a literatura pelos livros de caixa. O político que em 2014 mereceu a confiança de 51 milhões de brasileiros hoje é uma mancha na história de Tancredo Neves.”

Redação com Canal do Meio

Sobre o Autor

Talvez você também goste

Notícias 11 Comentários

CORRENTISTAS DO SANTANDER CRIAM LISTAS PARA “BOICOTE AO BANCO”

Agências do banco Santander em diversos municípios brasileiros, sofreram pichações como forma de protesto em razão do lançamento e patrocínio da “exposição de arte” em Porto Alegre, onde as obras

Política

“MILITANCIA ACOMODADA EM BERÇO ESPLÊNDIDO”, DIZ PÁTIO

Um vídeo que vazou nas redes sociais, o prefeito José Carlos do Pátio (SD), aparentemente preocupado e decidiu, dar uma dura na militância e pedir maior mobilização, uma espécie de

Notícias

Suécia enfrenta COVID- 19 sem confinamento e com baixa mortalidade

A confiança é alta na Suécia – no governo, nas instituições e nos colegas suecos. Quando o governo desafiou a recomendação convencional e se recusou a determinar um isolamento geral

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Você pode ser o primeiro a comente este post!

Deixa uma resposta