MPF: DENÚNCIA CONTRA ARTHUR LIRA ESQUENTA DISPUTA NA CÂMARA FEDERAL

MPF: DENÚNCIA CONTRA ARTHUR LIRA ESQUENTA DISPUTA NA CÂMARA FEDERAL

Enquanto o STF não decide se Rodrigo Maia (DEM-RJ) pode ser candidato à reeleição, a disputa pela presidência da Câmara esquenta graças a uma denúncia. Segundo o MP federal, Arthur Lira (PP-AL), candidato do Planalto e do Centrão, integrou um esquema de rachadinhas, quando assessores devolvem ao parlamentar parte do salário, e funcionários fantasmas no tempo em que era deputado estadual em Alagoas. Lira teria movimentado R$ 9,5 milhões entre 2001 e 2007. Ele tem uma condenação por improbidade administrativa que aguarda há quatro anos despacho do TJ alagoano para chegar o STJ. Procurado, Lira não comentou as acusações. (Estadão)

Painel: “No cenário provável de o STF autorizar a reeleição dos presidentes da Câmara e do Senado, haverá questões em aberto sobre como se viabilizaria a possível recondução de Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre. Defensores da dupla dizem que não seria necessário fazer mais nada, apenas convocar a eleição. Já parlamentares que se opõem à tese ou fazem parte do centrão veem necessidade de alterar pelo menos o regimento da Câmara dos Deputados, que veda explicitamente a possibilidade.” (Folha)

Talvez você também goste

Destaques 0 Comentários

VEREADOR DE PRIMAVERA DO LESTE É DETIDO PELA POLÍCIA POR VENDA DE BEBIDA ALCOÓLICA A MENORES

O vereador Josafá Martins Barbosa (PP), de Primavera do Leste- MT (244 km de Cuiabá) está mais uma vez frequentando as paginas policial na noite da sexta-feira (30), foi conduzido

Notícias 0 Comentários

TRANSPORTE COLETIVO EM RONDONÓPOLIS: EMPRESA QUERIA TARIFA DE R$ 4,18 A PREFEITURA VAI FIXAR EM R$3,90.

A empresa de transportes Cidade de Pedra solicitou no dia 9 de abril, um reajuste na tarifa do transporte coletivo em Rondonópolis o pedido apresentava um valor de tarifa de

Notícias

STF: vacina pode ser obrigatória mas não forçada

A vacinação contra a Covid-19 será obrigatória, mas ninguém será forçado a tomá-la, de acordo com o Supremo Tribunal Federal. Nove ministros seguiram o voto de Ricardo Lewandowski: impor a vacina