MP: identifica parceria entre PCC e PT contra portaria de Moro

MP: identifica parceria entre PCC e PT contra portaria de Moro

O Ministério Público de São Paulo (MP-SP) encontrou mensagens no celular de Dércio Gouveia Luiz, comparsa de Marcola, indicando pagamentos feitos a advogados ligados ao Partido dos Trabalhadores (PT), segundo reportagem exibida pela Record TV.

Dércio Português, como é conhecido no mundo do crime, era responsável pelo controle do fornecimento de drogas e pela arrecadação de dinheiro da facção Primeiro Comando da Capital (PCC).

A reportagem revelou que o dinheiro do pagamento a advogados teria sido usado para mover ações no Supremo Tribunal Federal (STF) e na Organização dos Estados Americanos (OEA) com o objetivo de derrubar uma portaria do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, que endureceu as regras nas penitenciárias federais.

É a segunda vez que uma possível ligação do PT com o PCC é revelada neste ano de 2019. Em abril, como noticiou a RENOVA, conversas entre os criminosos foram interceptadas pela Polícia Federal (PF), revelando que a facção tinha um “diálogo cabuloso” com a sigla.

Redação com Renova Mídia

Compartilhe:

Sobre o Autor

Talvez você também goste

Notícias 0 Comentários

ÁREA DE SEGURANÇA IRREGULAR É UTILIZADA COMO “ESTACIONAMENTO PARTICULAR “ POR SERVIDORES DO CIOSP EM RONDONÓPOLIS

Uma denúncia de irregularidades foi encaminhada a redação do Marreta Urgente nesta terça-feira (30), segundo as informações o Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp) em Rondonópolis localizado na

Destaques 0 Comentários

Senado aprova projeto que criminaliza caixa 2 eleitoral

CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) aprovou nesta 4ª feira (10.jul.2019) projeto de lei (íntegra) que criminaliza a prática de caixa 2 por 17 votos a 2.  A decisão foi

TETO DE GASTOS NÃO ESTÁ SEGURANDO A FARRA NO JUDICIÁRIO; ALGUNS SALÁRIOS ULTRAPASSAM R$ 100 MIL/MÊS

Quem sustenta os Três Poderes: Legislativo, Executivo e Judiciário é o contribuinte, só que nossos representantes nessas Instituições não estão respeitando, como sempre, o dinheiro do pagador de impostos. O