MORO NOMEIA ESQUERDISTA PARA CONSELHO DE POLÍTICA PENITENCIÁRIA

MORO NOMEIA ESQUERDISTA PARA CONSELHO DE POLÍTICA PENITENCIÁRIA

Um grande erro para o governo Bolsonaro aconteceu na terça-feira (26), quando foi publicado no Diário Oficial da União a nomeação de Ilona Szabó de Carvalho para um cargo no Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária.

Isso porque, Ilona já se manifestou contra políticas de ‘encarceramento em massa’, em um artigo publicado no site O Globo, no início do ano passado. No referido texto, lê-se o seguinte:

“reduzir o estoque de presos em prisões desumanas, é imperativo frear a entrada de pessoas nos sistemas de medida socioeducativo e prisional […] O STF e o Congresso devem rever a Lei de Drogas, que ainda insiste em criminalizar usuários e a punir de forma desproporcional pessoas do baixo escalão da cadeia do tráfico de drogas, como as chamadas mulas, muitas dessas, mulheres. E o Ministério da Justiça pode ser um grande articulador ao implementar o seu Plano de Segurança Pública […] penas alternativas à prisão e o fortalecimento dos programas de liberdade assistida para adolescentes em conflito com a lei são chave”.

Ela terá mandato de dois anos, e foi escolhida pelo Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro. Suas posições são contrárias aos ideais de direita e as expectativas dos eleitores de Jair Bolsonaro.

Uma das fundadoras da A fundação Igarapé, que recebe investimentos de George Soros, dono dos maiores centros de fomento a ONGs abortistas, que promovem a entrada em massa de islâmicos no mundo Ocidental, promotoras da agenda gayzista, da massificação da opinião da mídia -este último intento é operado através do think thank Project Syndicate, que patrocina, inclusive, ataques ao próprio Ministro Moro.

Entre os ideais defendidos por Ilona Gabó, estão a políticas de liberação de drogas, liberação de presos das penitenciárias (políticas de desencarceramento), contrariedade ao porte de armas para que o cidadão pratique seu direito à autodefesa (sendo uma das coordenadoras da campanha pró-desarmamento em 2003-2005), igualdade de gênero, contra diminuição da maioridade penal e ataques à polícia (constantemente feitos nas intervenções que a ativista faz para o canal Globonews).

Muitos formadores de opinião da direita entre eles Bené Barbosa Júnior, se manifestaram contra a escolha do Ministro Sérgio Moro. Ao colocá-la dentro do Ministério da Justiça e Segurança Pública ele está dando munição ao inimigo, pois o histórico da mulher é de um ativismo progressista de assustar, e vai na contramão das ideias do Presidente da República, seus eleitores e de tudo o que ele -Moro- fez à frente do Ministério até agora.

Redação com Observatório Brasil

Compartilhe: