Marcos Valério é transferido para cumprir regime semiaberto

Marcos Valério é transferido para cumprir regime semiaberto

Empresário foi condenado a 37 anos de prisão no caso do mensalão do PT; no semiaberto, ele poderá sair para trabalhar.

O empresário Marcos Valério Fernandes de Souza, condenado no caso do mensalão do PT, foi transferido nesta sexta-feira (6) da penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, para a prisão de Ribeirão das Neves, para cumprir regime semiaberto.

Ele foi beneficiado pelo ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), que o autorizou a progredir para progredir do regime fechado para o semiaberto. O juiz da Vara de Execuções Criminais da Comarca de Contagem, Wagner Cavalieri, determinou nesta sexta a transferência de Valério.

O empresário foi condenado a 37 anos de prisão no julgamento do mensalão do PT e, no regime semiaberto, poderá sair durante o dia para trabalhar.

Marcos Valério foi condenado pelos crimes de corrupção ativa, peculato, evasão de divisas e lavagem de dinheiro. Ele cumpre pena desde 2013.

Wagner Cavalieri também reduziu 75 dias da pena de Valério por causa de cursos que ele concluiu na prisão. Valério estudou direitos humanos, segurança do trabalho, higiene e ergonomia, literatura brasileira 2 e matemática.

G1

Compartilhe:

Sobre o Autor

Talvez você também goste

Destaques 0 Comentários

Polícia encontra feto dentro de saco de lixo na região do 0 Km

A Polícia Militar encontrou um feto dentro de um saco de lixo na tarde desta sexta-feira (18) em local de mata, na região do 0 Km, em Várzea Grande. A

Destaques 0 Comentários

VERBA: BARBUDO O MAIS ECONÔMICO; NERI GELLER O QUE MAIS GASTOU

O deputado federal Nelson Barbudo (PSL), foi o que menos gastou em cota parlamentar nesses 60 dias de mandato entre os oito parlamentares da bancada de Mato Grosso. Enquanto isso

Bagagens de até 23kg, voltarão a ter despacho gratuito segundo MP 863

Deve ser votada e aprovada a MP 863, que permite até 100% de capital estrangeiro nas empresas aéreas. Até agora era 20% no máximo. E que volta reinstituir a obrigatoriedade