Mantega e mais três autoridades do governo Dilma se tornam réus

Mantega e mais três autoridades do governo Dilma se tornam réus

O Ministério Público Federal (MPF) acusou quatro autoridades do governo Dilma de “pedaladas fiscais“. O ex-ministro da Fazenda Guido Mantega, o ex-presidente do Banco do Brasil Aldemir Bendine, o ex-secretário do Tesouro Arno Augustin e o ex-subsecretário de Polícia Fiscal Marcus Pereira Aucélio, foram denunciados.

Francisco Codevila, juiz da 15ª Vara Federal de Brasília, aceitou a denúncia, informa a Agência Brasil.

As chamadas de pedaladas fiscais motivaram o impeachment de Dilma Rousseff.

“[Os denunciados] foram responsáveis por ordenar, autorizar e realizar operações de crédito interno sem prévia autorização legislativa. Tais operações consistiram na concessão e utilização indevida de recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Social – BNDES para o pagamento de benefícios de responsabilidade da União no âmbito do Programa de Sustentação do Investimento (PSI)“, aponta a denúncia do MPF.

O MPF não denunciou a ex-presidente Dilma e o ex-presidente do BNDES, Luciano Coutinho, porque a pena já teria prescrito desde 2016 em virtude da idade acima de 70 anos de ambos.

Ricardo Roveran / Terça Livre

Sobre o Autor

Talvez você também goste

RONDONÓPOLIS

SEM CARNAVAL “RONDONFOLIA” EM 2019 RECURSOS IRÃO PARA EDUCAÇÃO

Em 2019 não haverá RondonFolia, como é chamado o evento de carnaval popular em Rondonópolis. A decisão foi informada pelo Secretário Municipal de Cultura, Humberto de Campos. Segundo o secretário

Destaques

EX-PREFEITO DE JACIARA AUTORIZOU LOCAÇÃO DE DRONE DE R$39 MIL

A prefeitura de Jaciara-MT, na gestão do ex-prefeito Ademir Gaspar de Lima (PR) não tinha problemas financeiros, pelo contrário, dinheiro estava sobrando a ponto de fazer um contrato de locação

Destaques

AÉCIO MAQUIOU DADOS DO BANCO RURAL ENVIADOS À CPI DOS CORREIOS, DIZ PF

A PF, segundo relatório obtido por O Globo, disse ter comprovado o envolvimento de Aécio Neves para maquiar dados do Banco Rural enviados à CPI dos Correios. “Entendo haver restado