LUIZÃO:“INVESTIR NA SAÚDE PÚBLICA É CUIDAR DA VIDA DAS PESSOAS”

LUIZÃO:“INVESTIR NA SAÚDE PÚBLICA É CUIDAR DA VIDA DAS PESSOAS”

Por Francielle Mesquita

Luizão, candidato a prefeito de Rondonópolis, fala de seu compromisso em investimentos no Sistema Único de Saúde (SUS), que atenda a carência na qualidade e falta de prioridade que a população vem sofrendo. “Nós não podemos aceitar o descaso que vem acontecendo no SUS, principalmente agora na pandemia. É desumano fazer o que está sendo feito com a população. Liberar exames médicos faltando um mês para eleição, não é olhar para quem mais precisa, é fazer politicagem.”, afirma Luizão.

Sobre ter um olhar diferente para Saúde Pública, o candidato fala que se eleito, o Hospital de Câncer irá funcionar em seu pleito e grande parte dos tratamentos de Quimioterapia e Radioterapia será atendida na cidade, hoje Rondonópolis não conta com o atendimento em Radioterapia “Os tratamentos que tiverem que ser realizados em Barretos, eu assumo o compromisso de ter um ônibus para o transporte dos pacientes, como também a casa de apoio com assistência da prefeitura” pondera, Luizão

O candidato esclarece que a vulnerabilidade da doença é algo que merece uma atenção especial. Ao identificar o tumor em seu estágio inicial, além de gerar economia durante o tratamento, também aumenta as chances de salvar vidas.

Talvez você também goste

Notícias 0 Comentários

Josair participa de reunião com pré-candidatos do PSB

O ex-prefeito de Dom Aquino e pré-candidato a deputado federal Josair Lopes (PSB) participou recentemente de um encontro com pré-candidatos do PSB para Assembleia Legislativa e Câmara Federal. A reunião

Bolsonaro se prepara para outra intervenção cirúrgica

Jair Bolsonaro vai passar por uma nova cirurgia no próximo fim de semana, em São Paulo. Segundo o médico Antônio Luiz Macedo, a operação será de médio porte e ocorrerá

Destaques 0 Comentários

PERU: ODEBRECHT SERÁ EXPULSA DO PAÍS POR EXCESSO DE CORRUPÇÃO

O vice-presidente do Peru, Martín Vizcarra, declarou neste sábado que a construtora Odebrecht não pode continuar no país, após por ter pago propina a funcionários do governo para vencer licitações