LISTA DE PROPINAS DA OAS ENVOLVE POLÍTICOS DE VÁRIOS PARTIDOS

LISTA DE PROPINAS DA OAS ENVOLVE POLÍTICOS DE VÁRIOS PARTIDOS

A empreiteira OAS, por meio um departamento clandestino em sua estrutura, pagou cerca de R$ 125 milhões na forma de propina ou como caixa dois de campanha a 21 políticos de oito partidos entre 2010 e 2014. A revelação foi feita por funcionários desse setor secreto, chamado Controladoria de Projetos Estruturados, em delação premiada homologada pelo STF.

Entre os acusados de receber propina estão o senador Jaques Wagner (PT-BA), o ex-governador mineiro Fernando Pimentel (PT-MG), o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (MDB-RJ) e o ministro do TCU Vital do Rego. Já na lista dos que teriam recebido dinheiro irregular para campanha aparecem o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o senador José Serra (PSDB-SP), o hoje deputado Aécio Neves (PSDB-MG), o ex-governador do Rio Sérgio Cabral (MDB), o ex-prefeito carioca Eduardo Paes (MDB) e o ex-senador Lindbergh Faria (PT-RJ). A amplitude do esquema da OAS pode dar força à aprovação do pacote anticrime do ministro Sérgio Moro.

Em tempo, levantamento do G1 mostra que 10% dos atuais deputados federais são réus em algum processo criminal.

Citado no esquema da OAS, Sérgio Cabral segue entregando ao MP sua rede de propinas. Ele confessou ter combinado com cúmplices versões a serem apresentadas à Justiça, afirmou que o esquema já existia em governos anteriores e ainda admitiu desleixo com a contabilidade da propina.

Redação com Meio

Compartilhe:

Sobre o Autor

Talvez você também goste

Destaques 0 Comentários

Zé Carlos do Pátio derrota Percival e volta em 2017

Zé Carlos do Pátio (SD) será o novo prefeito de Rondonópolis a partir de janeiro de 2017, o deputado estadual venceu a disputa contra Percival Muniz (PPS) com 39.352 votos

Notícias 0 Comentários

Rumo faz parceria com município e entrega equipamentos para UPA

A empresa Rumo doou nesta terça-feira (22) equipamentos para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA). A entrega ocorreu em uma solenidade que contou com representantes da Rumo e o prefeito

Lula ignorou enterros de irmãos enquanto esteve solto, até como presidente, agora queria dar um rolê

Ao contrário do que faz parecer em seu novo pedido à Justiça para ser autorizar a comparecer ao enterro do irmão Genivaldo Inácio da Silva, o Vavá, falecido de câncer