Uanderson Fernandes / Agência O Globo LAVA-JATO MANDA PRENDER DARIO MESSER E OUTROS 44 DOLEIROS

LAVA-JATO MANDA PRENDER DARIO MESSER E OUTROS 44 DOLEIROS

Agentes da Polícia Federal liderados pela força-tarefa da Lava-Jato estão nas ruas para cumprir 45 prisões contra doleiros envolvidos em um esquema de lavagem de dinheiro que atinge astronômica cifra de US$ 1,652 bilhão. O principal alvo da ação é o doleiro Dario Messer, apontado como “o doleiro dos doleiros” no Brasil. Policias federais cumprem, na manhã desta quinta-feira, mandados nos estados de Rio, São Paulo, Distrito Federal, Minas Gerais e Rio Grande do Sul e nos países Uruguai e Paraguai, onde acreditam estar Messer, por possuir dupla cidadania.

Batizada de “Câmbio, Desligo”, a operação é realizada em conjunto com o Ministério Público Federal (MPF) e conta com o apoio das autoridades uruguaias. São 43 pedidos de prisão preventiva e dois de prisão temporária. No Rio, policiais federais cumprem mandados em endereços no Leblon e em Ipanema, na Zona Sul.

A Lava-Jato desbaratou o esquema a partir das delações dos operadores do esquema do ex-governador Sergio Cabral, Vinicius Claret, o “Juca Bala”, e Cláudio Fernando Barbosa, o “Tony”. Os dois formam um grupo de quatro gerentes liderados por Dario Messer para lavar o dinheiro. Os doleiros atuam no mercado paralelo de câmbio.

Outros doleiros, como Sergio Mizhay e Enrico, também estão entre os alvos. A força tarefa da Lava-Jato apurou, a partir das delações, que havia um sofisticado sistema para fazer a lavagem de dinheiro. Juca Bala e Tony entregaram um sistema financeiro paralelo e online chamado “Bank Drop”, que consistia nas telas do sistema para que fossem realizadas as operações de lavagem.

Juca Bala e Tony chegaram ao Rio em dezembro, extraditados do Uruguai a pedido das autoridades brasileiras. Juca foi citado por outros dois delatores, os irmãos Renato e Marcelo Chebar. Também doleiros, eles revelaram que, quando o esquema de propina do ex-governador ficou grande demais, em 2007, tiveram de chamar Vinicius Claret para assumir as operações de lavagem.

ESQUEMA

Doleiros brasileiros e uruguaios se associaram para lavar o dinheiro do esquema comandado pelo ex-governador Sérgio Cabral no exterior. A pista foi fornecida pelos os irmãos Renato e Marcelo Hasson Chebar, delatores da Operação Eficiência, que citaram a uruguaia María Esther Campa Solaris como titular de uma conta no banco Pictet & Cie, com sede em Genebra, onde Cabral teria escondido US$ 10 milhões (R$ 31,2 milhões) da propina levada para a Suíça. María Esther é secretária do advogado Oscar Algorta Rachetti, uruguaio já indiciado pelo juiz Sérgio Moro por também lavar dinheiro para o ex-diretor da área internacional da Petrobras Nestor Cerveró.

 

Fonte: O Globo

 

Sobre o Autor

Talvez você também goste

Destaques 0 Comentários

Projeto LOA 2020 de Rondonópolis, população é esperada para debater

A Prefeitura de Rondonópolis por meio da Secretaria de Planejamento Coordenação e Controladoria Geral convida a comunidade geral para exercerem sua cidadania participando da Audiência Pública onde será apresentado e

Polícia 0 Comentários

Adolescente pega caminhonete, se envolve acidente e homem de 58 anos morre

Um adolescente de 17 anos, dirigindo uma S10, causou um acidente no KM 78 da MT-242. O caso ocorreu no trecho na zona rual de Nova Ubiratã (470 km de

Destaques 2 Comentários

IRMÃ DE SEBASTIÃO REZENDE RECEBIA PROPINA PARA ELE; DIZ DELAÇÃO.

O deputado estadual Sebastião Rezende(PSC), que foi citado na delação de Silval Barbosa, tinha um Modus operandi,assim como o ex-deputado estadual Antônio  Airton Português (PSD) que acompanhava a  irmã Vanice

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Você pode ser o primeiro a comente este post!

Deixa uma resposta