Lava Jato: Ex-diretor jurídico da Odebrecht é preso

Lava Jato: Ex-diretor jurídico da Odebrecht é preso

Nova fase da Lava Jato investiga propina a Palocci e Mantega.

A PF prendeu, na manhã desta quarta-feira, 21, o ex-diretor jurídico da Odebrecht Maurício Ferro.Operação foi realizada na 63ª fase da Lava Jato, deflagrada ontem.

O ex-executivo é genro de Emílio Odebrecht, casado com a irmã de Marcelo. Há muito tempo, diz-se que Marcelo anda às turras com o cunhado, pois criticava o formato da delação premiada da empresa.

Serão cumpridos dois mandados de prisão temporária e 11 mandados de busca e apreensão em São Paulo e na Bahia. O outro alvo de busca e apreensão e prisão temporária é o advogado Nilton Serson. Bernardo Gradin, ex-presidente da Brasken, também é alvo de buscas.

Propina

A nova fase investiga suspeita de pagamentos periódicos por parte da Odebrecht a dois ex-ministros de Estado identificados na planilha da empreiteira como “Italiano” e “Pós-Itália”. Em depoimento, Marcelo Odebrecht já havia afirmado que “Italiano” se referia ao ex-ministro Antônio Palocci e “Pós-Itália” era Guido Mantega.

A propina teria como objetivo, entre outras coisas, a aprovação de medidas provisórias (MPs 470 e 472) as quais concederam o direito de pagamento dos débitos fiscais do imposto sobre produtos industrializados (IPI) com a utilização de prejuízos fiscais de exercícios anteriores. As investigações apontam que a propina teria sido entregue a um casal de publicitários para dissimular a origem do dinheiro.

Mauricio Ferro, Bernardo Gradin e Nilton Serson foram denunciados pela prática dos crimes de corrupção ativa e lavagem de dinheiro, ao passo que Guido Mantega foi denunciado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro e Antônio Palocci pelo crime de corrupção passiva.

Segundo apurou o MP na ação penal, Antônio Palocci e Guido Matega teriam agido ilicitamente para favorecer os interesses da Braskem, sendo que Guido Mantega solicitou a Marcelo Odebrecht o pagamento de propina no valor de R$ 50 milhões como contrapartida para a edição das MPs 470 e 472. 

O pedido teria sido aceito por Marcelo Odebrecht e pago pela Braskem, por meio do Setor de Operações Estruturadas, contabilizando-se o valor de propina na planilha Pós Itália. Esta era uma espécie de contabilidade informal de propina da relação ilícita mantida entre a Odebrecht e Mantega, criada como continuação da Planilha Italiano, referente à relação ilícita que era mantida entre a Odebrecht e Palocci.

Investigações

Após o oferecimento de ação penal, a Braskem, em acordo de leniência firmado com o MPF, teria disponibilizado material probatório, o qual forneceu indícios de que Ferro, na condição de diretor jurídico da Braskem, teria comandado a celebração de 18 contratos advocatícios fraudulentos com Nilton Serson entre 2005 e 2013. Um deles, com o efetivo repasse de valores, dizia respeito a discussões envolvendo o crédito de IPI, mesmo contexto em que ocorreram os crimes investigados na ação penal.

De acordo com a denúncia, não teria havido efetiva prestação de serviço por Serson, tendo os contratos valido apenas para repasse dos valores.

A nova fase da operação, explica o MP, busca apurar esses novos atos de lavagem de dinheiro e quem foram os destinatários finais dos recursos.

  • Processo: 5033771-51.2018.4.04.7000

Veja a decisão.

Migalhas

Sobre o Autor

Talvez você também goste

Notícias 0 Comentários

OUTDOOR DE BOLSONARO: “MP FEZ RESTRIÇÕES À LIBERDADE DE EXPRESSÃO”,DIZ ESPECIALISTA

O Advogado, Professor e Especialista em Direito Eleitoral, Rafael Rodrigues Soares publicou um artigo sobre o polemico pedido do MPE para retirada imediata de um outdoor do deputado federal Jair

Destaques 0 Comentários

BOLSONARO É LEMBRADO NO ENCONTRO DE EX- MILITARES EM RONDONÓPOLIS

Ex-artilheiros que serviram em 1986, na 2ª da Bateria de Obus (canhão) no 18º G.A.C estiveram reunidos em um churrasco de confraternização, do segundo encontro do grupo neste sábado (15)

Notícias 0 Comentários

A VERDADE SOBRE A CPMF E O PROJETO DE PAULO GUEDES

O economista Paulo Guedes explicou como pretende recriar um imposto nos moldes da CPMF. O projeto de Guedes é diminuir o número de impostos e, ao longo de dez anos,

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Você pode ser o primeiro a comente este post!

Deixa uma resposta