Justiça Federal suspende decreto que incluiu igrejas e casas lotéricas como ‘serviços essenciais’

Justiça Federal suspende decreto que incluiu igrejas e casas lotéricas como ‘serviços essenciais’

A 1ª Vara Federal de Duque de Caxias suspendeu a aplicação do decreto de Bolsonaro que incluiu igrejas e casas lotéricas como serviços essenciais e que, portanto, poderiam funcionar normalmente durante a quarentena. “O acesso a igrejas, templos religiosos e lotéricas estimula a aglomeração e circulação de pessoas”, escreveu o juiz federal na decisão.


Bolsonaro havia publicado a medida no Diário Oficial da União de ontem. 
A decisão de hoje foi em resposta a uma ação civil pública, com pedido de liminar, movida pelo procurador Julio José Araujo Junior, do Ministério Público Federal.


No documento, o juiz federal Márcio Santoro Rocha escreve que é “nítido que o decreto coloca em risco a eficácia das medidas de isolamento e achatamento da curva de casos da covid-19, que são fatos notórios e amplamente noticiados pela imprensa, que vem, registre-se, desempenhando com maestria e isenção seu direito de informar”. 


O juiz ponderou ainda que “tais medidas são fundamentais para que o Sistema de Saúde — público e privado — não entre em colapso, com imprevisível extensão das consequências trágicas a que isso pode levar”.

Redação com O GLOBO

Sobre o Autor

Talvez você também goste

Destaques 0 Comentários

DIRETOR DA MACHADO ASSESSORIA SOFRE ACIDENTE NA BR-364

Na manhã de domingo (8) por volta das 8h30 o Chevrolet Agile, conduzido por Edson Ricardo Bueno, um dos diretores da Machado Assessoria em Rondonópolis-MT, acabou sofrendo um acidente na

Notícias 0 Comentários

DONO DA HAVAN SOFRE ATENTADO

Na tarde desta quarta-feira (06) em uma Live em seu Facebook, o empresário catarinense Luciano Hang, relatou que por pouco não foi vítima de um “atentado terrorista” como ele mesmo

Destaques 0 Comentários

JUSTIÇA BENEFICIA ALCKMIN AFASTANDO DENÚNCIAS

Já se aproximava do fim da tarde, na sexta-feira, quando o ministro Gilmar Mendes determinou a soltura de Paulo Vieira de Souza, acusado de ser o principal operador do caixa