JUNGMANN ASSUME A SEGURANÇA DECAPITANDO DIRETOR DA PF

JUNGMANN ASSUME A SEGURANÇA DECAPITANDO DIRETOR DA PF

A primeira decisão de Raul Jungmann após tomar posse como Ministro da Segurança Pública foi demitir o diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia. Ficou pouco mais de três meses no cargo, deu uma entrevista desastrosa parecendo querer proteger o presidente Michel Temer num inquérito sobre corrupção nos portos, foi repreendido pelo Supremo, teve um voto de desconfiança do Ministério Público e críticas de vários delegados.

Vai substituí-lo Rogério Galloro, que era desde o início o favorito do ministro da Justiça, Torquato Jardim. A decisão de exonerar o diretor ocorreu na segunda à noite.

Segovia, que passou a tarde em reunião com o novo ministro, soube da queda pela imprensa, pouco após deixar o gabinete.

“O DG caiu. A frase é notícia que a essa altura se espalha como pólvora nos corredores do Departamento de Polícia Federal. Segovia deixa o cargo depois de patrocinar várias tentativas que foram interpretadas como sinais de que o governo estava tentando controlar as investigações. A decisão do novo ministro, colocando no cargo o delegado Rogério Galloro ainda é uma incógnita. Quer recolocar a PF nos trilhos? Ou demitiu o DG porque fracassou em sua missão original? É preciso esperar para ver.”

Seja como for, Temer vai levar mais uma na cabeça. A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu que o presidente seja incluído entre os investigados de um inquérito que apura repasses da Odebrecht ao MDB, em 2014. Ele, Eliseu Padilha e Moreira Franco, são acusados de pedir R$ 10 milhões em um jantar no Jaburu.

 

Redação com Canal do Meio

 

Compartilhe: