História da Cia de Dança Nathasha Said

História da Cia de Dança Nathasha Said

Descendente direta de libaneses e sírios, Nathasha Said, desde criança dançou por hobby e diversão. Em sua juventude, formou-se em Direito atuando profissionalmente por algum tempo.

Apaixonada pela arte e percebendo a necessidade de despertar nas pessoas o desejo de melhorar sua vida através da dança, decidiu transformar seu hobby em profissão. Especializou-se em cursos em Belo Horizonte (MG) e em São Paulo (SP) com professores e bailarinos de renome Nacional e Internacional. Em 2007 abriu seu próprio estúdio com aulas de uma a três vezes por semana.

Nathasha Said é uma bailarina árabe profissional, certificada pela Khan El Khalili (Casa de Chá Egípcia e Escola de Dança do Ventre mais conhecida do Brasil) famosa pela qualidade e excelência, seleciona, avalia e certifica as maiores expressões de dança em todo território Nacional.

Objetivos da Cia de Dança

Aliar ao estudo da dança a preocupação com aspectos educativos globais do aluno: disciplina, estímulo ao trabalho em equipe, solidariedade, formação de valores e atitudes éticos-sociais, estímulos ao conhecimento e integração de diferentes linguagens artísticas (dança, teatro, música etc…)

Atendemos também às necessidades do público adulto que gosta da dança como lazer seja ele expectador ou participante. Portanto, podem participar das aulas profissionais da área ou pessoas comuns que apenas querem passar horas agradáveis com outras pessoas com as mesmas preferências.

Para este espetáculo foram escolhidas representações folclóricas de países árabes, e nem todos são mencionados no show, por serem de tamanha diversidade cultural. O apelo da dança não é sexual. É cultural, técnico e histórico.

A dança Árabe não é um gênero de fácil aprendizado, é preciso muito treino, estudo e dedicação. É uma dança completa trabalha o corpo todo.

Proposta Geral

Apresentação do Espetáculo Sons do Deserto.

Público Alvo

O espetáculo é direcionado ao público em geral, crianças, jovens e adultos poderão apreciar e verificar tamanha importância em investir na dança como instrumento de educação e cultura.

Objetivo

Como mais uma forma de valorizar as diversas linguagens artísticas e oferecer opções culturais diferenciadas ao público, o espetáculo Sons do Deserto, traz apresentações selecionadas a fim de mostrar a riqueza cultural dos países árabes, que vai reunir cultura, arte, história e dança em um só show.

Descrição do Espetáculo

O mundo inteiro conhece a linguagem dos movimentos, e em cada parte do planeta ela tem uma característica cultural, dialetos e crenças diferentes.

Sons do Deserto irá mostrar ao público danças folclóricas e populares dos países árabes. O espetáculo é uma expedição percorrendo as antigas rotas de caravanas que atravessaram as regiões dos países árabes mostrando a cultura e costumes através da dança e da narrativa.

O Espetáculo

Diferente da Dança do ventre, o folclore árabe ainda é pouco divulgado no mundo; porém é impossível estudar Dança do Ventre e não se encantar com as danças populares regionais.

A dança do Ventre atual evoluiu de danças folclóricas regionais, teve influência do Ballet (que entrou com toda força no Egito no século passado), e utilizou-se de intercâmbios culturais agregando movimentos de danças de outras partes do mundo. Por isso, ao estudar folclore árabe, podemos compreender a origem dos passos, dos ritmos e suas aplicações dentro das danças árabes.

Danças folclóricas são danças muito antigas, que estão diretamente ligadas ao cotidiano do povo árabe, como também a cultura, mitos e crenças; geralmente são passadas de pais para filhos com muita naturalidade.

Para estudar folclore árabe você tem que conhecer a história, o clima, os temperos, a vegetação, o dia a dia de cada povo e de cada região, para entender assim, o surgimento de gingas e dos movimentos essenciais de cada estilo.

As músicas também são distintas e são a expressão artística mais pura do povo, traduzindo em seus ritmos quentes e em seus instrumentos rústicos os sentimentos que as palavras não conseguem traduzir.

O que se entende superficialmente como “Danças folclóricas árabes” no mundo? Podemos dizer que três conceitos se misturam dentro dessa pergunta. São eles:

-” Danças “Folclóricas”: a dança para ser folclórica” deve fazer parte da tradição e do rito do povo” com características que manifestam diversas crenças e costumes arraigados em cada povo. Existe uma série de critérios estipulados pela UNESCO para que a dança seja reconhecida como folclore, e alguns critérios são: tradicionalidade, dinamicidade, funcionalidade, aceitação coletiva, anonimato da criação, entre outros.

– “Danças Populares”: São aquelas que estão presentes no dia a dia do povo por um determinado tempo e que estão sempre mudando de acordo com os acontecimentos. Elas são sujeitas a modismos e variações temporais.

– “Dança-Teatro”: Danças-teatro ou teatralizações cênicas são danças que se inspiram em características populares ou folclóricas, mas são desenvolvidas em função da licença poética do seu criador. Elas não precisam ser completamente fiéis aos dados reais e podem ser construídas de forma atemporal, influenciadas pela fantasia e criatividade. Essas danças são apresentadas pelos principais coreógrafos árabes. Por terem força na mídia, muitas vezes são as que chegam mais rápido nas mãos dos estudantes ocidentais.

Danças que serão representadas no Espetáculo

-Dabke

-Said, Tahtib, Raks el Assaya

-Khaliji, Khaleege

-Melea-laff

-Shaabi

-Baladi

-Felahi (Dança com Jarro e Dança com Flores)

-Awalen (Dança com Candelabro)

-Ghawaze

-Kawlyia (iraque dance)

-Hagalla

A porta está aberta, você é meu convidado para nessa viagem cheia de histórias e cultura, Nathasha Said

Cinestésico: Comunicação através do Corpo (Fonte: dicionárioinformal.com.br)

Cinestesia: Sensibilidade nos movimentos (Fonte: dicionariopriberam.com.br)

Compartilhe:

Sobre o Autor

Talvez você também goste

Mato Grosso 0 Comentários

TAQUES EM BRASÍLIA COBRA R$ 544 MILHÕES PARA GARANTIR SALÁRIOS EM MT

O governador Pedro Taques viajou nesta segunda-feira (30.10) a Brasília para cobrar do Governo Federal repasses no montante de R$ 544 milhões que poderão ajudar a equilibrar as contas do

Mato Grosso 0 Comentários

A farsa das promissórias que caíram de cortina: PF deve desmontar armação de substituta do TCE

A conselheira substituta do Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE), Jaqueline Jacobsen, casualmente, por interesse próprio ou a mando de alguém, acabou por se envolver em uma grande enrascada,

Notícias 0 Comentários

O DILEMA DE “BARBUDO”: UNO, CAMIONETE OU CARRETINHA

O deputado federal mais votado de Mato Grosso com mais de 126 mil votos, Nelson Barbudo (PSL) que costuma aparecer em Brasília e posta fotos com seu “Fiat Uno”, desta