GUERRA NO PSL/ MT BOLSONARO QUER GALLI E NOVOS FILIADOS REJEITAM DEPUTADO NA PRESIDÊNCIA

GUERRA NO PSL/ MT BOLSONARO QUER GALLI E NOVOS FILIADOS REJEITAM DEPUTADO NA PRESIDÊNCIA

Major Cicero Antônio

O convite do presidenciável Jair Bolsonaro (PSC-RJ) para o deputado federal Victório Galli (PSC) acompanhá-lo na filiação ao PSL com objetivo de assumir o comando da sigla em Mato Grosso desencadeou verdadeira guerra entre seus apoiadores. A reação gerou bate-boca nas redes sociais e o caso será levado ao conhecimento da coordenação da pré-campanha à presidência da República.

A publicação que causou o mal-estar foi do major do Exército Cícero Antônio, que se filiou ao PSL, ingressou na direção partidária e pretende ser candidato nas eleições de outubro. Após uma a página do Facebook Direita Mato Grosso publicar uma matéria sobre a possivel ida de Galli para PSL.

Segundo a postagem Cícero Antônio fala que  Galli é oportunista e demagogo por apresentar projeto de decreto legislativo reduzindo os salários e verbas dos deputados federais pensando apenas na própria reeleição. Além disso, afirma que o parlamentar esconde que é sargento do Exército reservista ao mesmo tempo em que se aproxima de Bolsonaro, que classifica como “maior militar e expoente político do país.

Além disso, ataca Galli por ser aliado do governador Pedro Taques (PSDB) e do suplente Xuxu Dalmolin (PSC), que esteve por quatro meses exercendo mandato na Câmara Federal. Segundo Cícero Antônio, os políticos não representam o desejo de mudança e de reorganização da economia e dos serviços públicos em Mato Grosso.

Cícero Antônio faz parte da direção do PSL que almeja a coordenação da campanha de Bolsonaro em Mato Grosso. No entanto, a possível filiação de Galli pode frustrar a aproximação com o presidenciável.

A Direita Mato Grosso rebateu o major, afirmando que deveria se envergonhar por atacar Galli. Afirma que ele foi um dos primeiros parlamentares do país a defender o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e elenca uma série de feitos enquanto militantes direitista.

Como exemplos da atuação de Galli, que é pastor da Assembleia de Deus, a Direita Mato Grosso cita defesa da liberação do porte de armas e posicionamento contrário que chama de casamento gay e legalização da maconha. Destaca ainda a campanha contra a chamada ideologia de gênero e a luta contra livros didáticos que na avaliação dos conservadores promove o incesto.

Os dirigentes da Direita Mato Grosso também prometem denunciar Cícero Antônio nacionalmente por conspiração e jogo de poder. Lembra que a decisão de convidar Galli para se filiar e assumir o comando estadual do PSL foi tomada pelo próprio Bolsonaro.

O presidenciável se filia ao PSL no próximo dia 7 de março. Por isso, aguarda a resposta de Galli para que o parlamentar de Mato Grosso assine a ficha de filiação no mesmo ato político.

Galli e Bolsonaro atuam em conjunto desde fevereiro de 2015, quando assumiram o mandato em andamento. Ambos fazem coro e não fogem de polêmicas para defender pautas conservadora.

 

Redação com RDnews

Compartilhe: