Grupo político de Mauro Mendes deixa PSB e amplia sua força política em MT

Grupo político de Mauro Mendes deixa PSB e amplia sua força política em MT

Valtenir assumiu o PSB em MT numa articulação associada a uma intervenção do grupo político de extrema esquerda do PSB nacional, o grupo é ligado ao PT e está sob o comando de Carlos Siqueira. Valtenir que iniciou sua carreira política no PT, não sentiu nenhum constrangimento em bater de frente com o grupo político de Mauro Mendes, Fábio Garcia, Adilton Sachetti, Eduardo Botelho e Oscar Bezerra que formavam um grupo mais conservador dentro do partido e desagradava a ala mais radical liderada, nacionalmente, por Siqueira.

As principais lideranças do PSB, agora, articulam novos caminhos e deverão migrar para novas siglas.Mauro Mendes deverá migrar para o DEM, embora tenha recebido sondagens do PR e do PP.

Sachetti, ligado ao grupo político de Blairo Maggi, estaria com as portas abertas para filiar-se ao PR. Porém, Sachetti, autorizado por Blairo, poderá acompanhar Fábio Garcia, Mauro Mendes e Botelho e assinar seu “contrato” com o DEM de Jayme Campos.

Oscar Bezerra, já recebeu informações que terá portas abertas para filiar-se em diversas siglas, entre elas o PSC, DEM e o PP.

Fábio Garcia chegou a conversar com diversas siglas, como PR, PP, PSD e PV. Porém, o caminho do jovem deputado deverá ser o DEM.

Eduardo Botelho já revelou que sua nova casa será o DEM.

A implosão do PSB em MT, por meio de uma ação “kamikaze” de Valtenir Pereira e Carlos Siqueira, poderá representar a formação de um dos maiores blocos partidários da história de MT. Valtenir pode ter entregue um presente, sem querer, no colo de Mauro Mendes.

Valtenir, com sua intervenção no PSB, antecipou os arranjos partidários e discussões em torno de 2018. Obrigando grandes lideranças a iniciarem conversações que acabariam reunindo diversos partidos numa única mesa de discussão. Essa atitude poderá levar a consolidação da candidatura de Mauro Mendes ao governo e a formação deste grande bloco de partidos em apoio à sua candidatura. Tudo acontece num momento de maior desgaste político do atual governador de MT. Pedro Taques se perde entre diversos acordos e compromissos não cumpridos, desgaste com o serviço público e descontentamento da Assembleia Legislativa.

Muito provavelmente, o PP, PR, DEM, PSC, PSD poderão formar um grande bloco partidário e lançar Mauro Mendes ao Governo, tendo no palanque as maiores lideranças políticas de MT. Outrora, lideranças que foram fundamentais para a vitória de Pedro Taques em 2014.

E, caso se confirme a saída de Pedro Taques do PSDB, bem como sua filiação ao PPS, o tucanato poderá, claramente, fazer parte deste novo bloco partidário e lançar Mauro Mendes ao Governo.

Para o analista político e marqueteiro Manoel Carlos, Valtenir Pereira deu um presente ao grupo de Mauro quando implodiu o PSB. As articulações políticas para 2018 foram antecipadas e a consolidação da candidatura do Mendes já atingiu um patamar irreversível. Mauro Mendes só não sairá candidato se ele mesmo repetir sua decisão de 2016, quando desistiu de ir à reeleição em Cuiabá. Coincidentemente, as chances eram boas em 2016 e são boas agora em 2018. Se Mauro Mendes decidir não vir ao Governo, qual candidato não gostaria de ter Mauro como vice-governador, como suplente de senador ou como senador? A decisão está nas mãos dele, é saber aproveitar o momento.

 

Fonte:Exata News

Compartilhe: