Zanone Fraissat/Folhapress Grampo da PF indica suposto   lobby de Alexandre de Moraes

Grampo da PF indica suposto lobby de Alexandre de Moraes

Um grampo da PF ao qual a Folha teve acesso parece mostrar que Alexandre de Moraes, ainda quando era secretário de Segurança Pública de São Paulo, teria conversado com o desembargador Alexandre Victor de Carvalho, do TJ-MG — que, na época, era suspeito de ilegalidades em um processo que poderia afastá-lo do cargo — e sugerido que falaria com ministros do STF sobre o caso.

Segundo o jornal, o diálogo gravado é de 6 de novembro de 2015. Na ocasião, o desembargador liga para o gabinete de Moraes na Secretaria de Segurança e é atendido por uma funcionária, que repassa a ligação ao então secretário.

“Falei com você: calma que nós temos que esperar o Joaquim [Barbosa] entrar de férias, senão nós estamos fodidos”, disse Moraes a Carvalho, referindo-se ao então presidente do STF, que estava prestes a tirar alguns dias de descanso. “Dia 15 de janeiro, o [Ricardo] Lewandowski assumiu [o plantão do STF], eu fui lá no dia 16 e, na própria decisão, ele já mata.”

Em outro trecho da conversa, Moraes diz que também falou com Dias Toffoli — hoje presidente do STF — em um evento que reuniu juízes em São Paulo. “Vai [ser julgado] terça, pode ficar tranquilo, viu?”, diz. “Fui convidado para dar uma palestra cedinho, bati um papo com ele, então não vai ter novidades.”

Gilmar Mendes também é citado pelo então secretário de Segurança Pública de SP.

“O Gilmar vem hoje à noite para este encontro também. Aí eu troco uma ideia com ele. Sabe que cabeça de juiz, essa cabeça louca de vocês, não é? Mas é bom tirar da frente, quero começar fazer campanha pra você pro STJ [Superior Tribunal de Justiça], pô!”, diz Moraes ao desembargador do TJ-MG.

O então secretário também diz que pediria para Lewandowski “dar um toque” em outros dois ministros do STF — Teori Zavascki e Cármen Lúcia. “Então, a Cármen é daí, né, meu? Se você tiver alguém pra lembrar ela só, não é ruim… Não vamos bobear no finalzinho, não é?”, afirma.

O processo envolvendo Carvalho foi julgado 11 dias depois das conversas com Moraes — a Segunda Turma do STF, por unanimidade, arquivou a reclamação disciplinar no CNJ.

Segundo a lei 8.906, de 1994, que dispõe sobre o Estatuto da Advocacia, ocupantes de cargos ou funções de direção em órgãos da administração pública — como os secretários de Estado — não podem atuar como advogados.

Procurado pela Folha, Moraes disse que não se manifestaria sobre a reportagem. Por meio de assessores, Dias Toffoli enviou a seguinte declaração: “O ministro Alexandre de Moraes nunca tratou de referido tema comigo”. O STF informou que “não há regulamentação” sobre o tema.

Alexandre Victor de Carvalho é o atual vice-presidente e corregedor do TRE-MG.

Redação com O antagonista

Sobre o Autor

Talvez você também goste

Destaques

Surto de sarampo preocupa gestores de saúde

No momento em que gestores de saúde e governantes de todo o país somam esforços para combater a pandemia da Covid-19, as cinco regiões do país sofrem um surto de

Mato Grosso 0 Comentários

SEM TETA: JUSTIÇA MANTÉM SUSPENSA VERBA INDENIZATÓRIA DOS VEREADORES EM PRIMAVERA DO LESTE

Mais uma vez uma decisão do desembargador Carlos Alberto Alves da Rocha presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso manteve suspenso o pagamento da verba indenizatória dos vereadores de

Política 0 Comentários

DORNER PRETENDE DISPUTAR A PREFEITURA DE SINOP

O partido ‘Republicanos’ antigo PRB, deve contar com o empresário Roberto Dorner, proprietário da TV Rondon como pré-candidato à prefeitura de Sinop. A informação é de que os republicanos procuram

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Você pode ser o primeiro a comente este post!

Deixa uma resposta