GILMAR MENDES DIZ QUE COLEGAS, EM CERTOS CASOS, DECIDEM DE ACORDO COM AS RUAS

GILMAR MENDES DIZ QUE COLEGAS, EM CERTOS CASOS, DECIDEM DE ACORDO COM AS RUAS

Após ser vaiado em um voo comercial e ter solicitado a presença da policia federal para sua segurança Gilmar Mendes um dos ministros do supremo tribunal federal em entrevista a folha de são paulo explicou a atual situação politica e social

“Vivemos momentos peculiares. Passou-se a levar para o STF questões que não deveriam passar por lá. Eu tinha um temor de que, naquele quadro político conturbado dos governos do PT, houvesse um tipo de bolivarianização do tribunal, de se indicar agentes políticos para novas vagas.

Hoje a gente vive uma bolivarianização de forma invertida. Não é mais um político que manda o tribunal decidir desta ou daquela maneira. Ministros, em alguns casos, decidem de acordo com o que as ruas podem imaginar que é justo. Se perguntarmos o que as pessoas querem em relação aos que praticaram crimes, é pena de morte. Linchamento.

O tribunal não pode ecoar esse tipo de coisa. Tem ecoado muitas vezes. E se tornou caixa de ressonância do Ministério Público.

Estamos vivendo uma fase populista e as pessoas têm medo de serem criticadas, atacadas, ou de sofrerem, em sua vida pessoal, um escrutínio mais forte por parte da mídia, o que é comum quando se nada contra a corrente.

Eu fico absolutamente calmo. Sei do meu papel, que é histórico, de impedir esse quadro de abusos. A mídia foi responsável por esse processo de fascismo que se desenvolveu. E eu já avisei a certos diretores de redação que, se algo grave acontecer comigo, sei quem são os responsáveis.”

redação com Canal do Meio

Compartilhe: