GALLI QUER COMPROVANTE DE VOTO IMPRESSO EM 2018

GALLI QUER COMPROVANTE DE VOTO IMPRESSO EM 2018

 

A implantação do comprovante de voto impresso determinada por lei, com a aprovação da PEC de autoria do Deputado Jair Bolsonaro, pode ser adiada e o Brasil corre risco, denunciam lideranças da Direita no Brasil.

No novo processo eletrônico de votação, a urna imprimirá o registro de cada voto, que será depositado, de forma automática e sem contato manual do eleitor, em local previamente lacrado.

O processo de votação não será concluído até que o eleitor confirme a correspondência entre o teor de seu voto e o registro impresso e exibido pela urna eletrônica.

Em outras palavras, você não receberá um papel com o seu voto, até porque isso poderia incentivar a compra de votos. Em vez disso, o comprovante será impresso pela urna eletrônica e poderá ser conferido visualmente por você; se os votos estiverem certos, confirme a operação, e o papel será depositado automaticamente.

O deputado federal Victório Galli (PSC-MT), alertou os brasileiros para que se manifestem de varias formas a fim de exigir a implantação do novo sistema e o cumprimento da LEI.

Segundo Galli, “sem isso, poderemos estar diante do maior golpe já praticado contra o Brasil. Não podemos deixar passar em branco nossos direitos como cidadãos e eleitores. Temos que ficar de olho”.

As eleições com a utilização de urnas eletrônicas na Venezuela, a mesma empresa que coordena a votação no Brasil, sofrem investigação por suspeita de fraude. Inclusive, a Constituinte que trouxe poderes ditatoriais para o presidente comunista Nicolás Maduro não escapa da investigação.

No Brasil, o voto impresso sofre grande resistência por parte do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e setores da esquerda.

O ministro Tarcísio Vieira disse que o voto impresso não melhora a segurança, aumenta o tempo de votação e cria o risco de mau funcionamento das impressoras. O presidente do TSE, Gilmar Mendes, discute com a Câmara dos Deputados uma forma de tentar adiar ou barrar as novas urnas.

Além disso, alegam que a impressão do voto nas urnas eletrônicas em todo o País deverá custar R$ 2,5 bilhões aos cofres públicos nos próximos dez anos, segundo projeção do TSE.

O novo modelo de urna custa US$ 800 (cerca de R$ 2.520), ante US$ 600 (R$ 1.890) do modelo atual, e o TSE estima que 35 mil unidades – de um total de 600 mil – deverão ser utilizadas já em 2018.

Quanto mais transparência no processo eleitoral, mais a democracia ganha. E os eleitores brasileiros querem o voto impresso por uma razão muito simples: desconfiam do processo eleitoral das urnas eletrônicas.

“O povo brasileiro ficou em dúvidas pela falta de informações detalhadas do ultimo pleito presidencial e assim o sistema eleitoral precisa ser absolutamente confiável. A lei tem que ser cumprida, afinal foi aprovado para isso”, finalizou Victorio Galli.

 

por Marcelo Duarte

Compartilhe:

Sobre o Autor

Talvez você também goste

Notícias 0 Comentários

Hospital Regional de Rondonópolis normaliza atendimentos

O Hospital Regional de Rondonópolis Irmã Elza Giovanella retomou as atividades de rotina nesta terça-feira (13) com atendimentos de urgência e emergência, cirurgias ortopédicas e o recebimento de pacientes regulados

CRISE TURCA ABALA ECONOMIAS EMERGENTES

A crise econômica da Turquia já começou a resvalar pelos mercados brasileiros. O dólar chegou à máxima de R$ 3,92 e fechou o dia em R$ 3,88. É o efeito

Notícias 0 Comentários

DENÚNCIA SOBRE DESVIOS DE RECURSOS SANTA CASA DE RONDONÓPOLIS

Uma denúncia de irregularidades na Santa Casa de Misericórdia de Rondonópolis, publicada com exclusividade por um dos maiores sites de notícias do Matogrosso; o AGORA MT, está ganhando repercussão nacional.