Foto: Prefeitura de Manaus/Fotos Públicas Frente Nacional Pró-Vírus não quer que o país volte a trabalhar

Frente Nacional Pró-Vírus não quer que o país volte a trabalhar

Por J.R. Guzzo

O público pode se preparar porque vem artilharia grossa por aí — um esforço concentrado, por parte das tropas da “Frente Nacional Pró-Vírus”, para retomar a iniciativa na guerra contra a produção e contra o trabalho que vêm travando com tanto sucesso há três meses. Nenhum partido, nenhuma revolução de massas e nenhuma greve geral de “operários e camponeses”, como a esquerda gostava de dizer 50 anos atrás, conseguiu tanto sucesso até hoje para jogar no chão o sistema econômico de um país quanto o vírus que veio da China.

É muito natural, portanto, que as forças do movimento pró-vírus fiquem agitadas com os primeiros sinais de que a epidemia possa estar começando a ceder. Ou melhor: os governos dos estados e municípios, a quem o STF entregou a exclusividade na gestão da crise, começam a admitir que não está dando mais para manter o “distanciamento social” para sempre. Sem a sua ajuda, a paralisação do Brasil até o “Dia do Juízo Final” não tem mais o futuro que parecia ter até agora.

O contra-ataque do consórcio pró-vírus pode ter sucesso maior ou menor — depende da sua capacidade de meter medo nos governadores e prefeitos que estão encarregados de decidir sobre o que funciona, o que funciona mais ou menos e o que continua proibido de funcionar. A munição que parecem mais empenhados em utilizar são “estudos” com números apavorantes sobre mortes e infecções, que estariam em índices altos demais para permitir a abertura que começa a ser tentada. Há também as “projeções”, que prometem para o futuro uma calamidade muito maior que a de agora, caso o abrandamento da quarentena não seja interrompido já.

Médicos, cientistas e pesquisadores, que são apresentados sob o genérico de “especialistas”, multiplicam ameaças sobre o que vai acontecer. A mídia, em geral, apoia com o máximo de ruído possível a ofensiva – desde o início da epidemia, aliás, tem sido a colaboradora mais apaixonada da Frente Nacional Pró-Vírus.

Essa turma tem a seu crédito uma série de feitos realmente notáveis. Conseguiram convencer muita gente boa que ficar “em casa” é um gesto de heroísmo. Transformam fiscais da prefeitura em modelos de virtude. Baniram da discussão sobre a Covid-19 qualquer ponto de vista que não desse apoio cego à ideia do “confinamento total” até a “descoberta da vacina” – ou mesmo depois. Venderam a visão de um mundo onde ninguém precisa mais trabalhar, porque “o governo” tem de cuidar da população – ou, então, onde todos podem trabalhar em casa, pedir comida pelo “delivery” e fazer cursos de ioga pela televisão. Conseguiram, com o dilúvio de declarações dos seus “especialistas”, calar a ciência e impor uma medicina de superstição a milhões de pessoas.

O maior pesadelo para o partido do vírus é um Brasil que volte a funcionar normalmente. Vão fazer tudo o que podem para evitar isso.

Gazeta do Povo

Talvez você também goste

PERIGO “BOATOS” EM REDES SOCIAIS: HOMEM E MULHER VÍTIMAS DE BOATOS SÃO ESPANCADOS

Um homem e uma mulher foram espancados nesta quarta-feira(5), em Araruama, Região do Lagos(RJ), depois de serem vítimas de um boato de que estariam sequestrando crianças. A informação falsa viralizou

Notícias 0 Comentários

NÚMEROS APONTAM: PROJETO DE REELEIÇÃO DE PÁTIO PODE AFUNDAR

O sinal de alerta foi ligado no Palácio da Cidadania, sede do poder executivo em Rondonópolis-MT, tudo por conta de uma pesquisa encomendada pelo prefeito José Carlos do Pátio (SD),

Mato Grosso 0 Comentários

Deputado Sebastião Rezende cobra celeridade nas obras do Res. Dona Neuma

O deputado estadual Sebastião Rezende fez uma visita às obras das 470 casas do Residencial Dona Neuma, na região do bairro Padre Lothar, após uma longa atuação parlamentar em prol