DENÚNCIA DE MAUS-TRATOS EM ESCOLA DE CURITIBA CAUSA DEBANDADA DE ALUNOS

DENÚNCIA DE MAUS-TRATOS EM ESCOLA DE CURITIBA CAUSA DEBANDADA DE ALUNOS

Uma denúncia de maus-tratos a alunos da Educação Infantil (até seis anos) de uma escola particular do bairro Água Verde, em Curitiba, se tornou o estopim para uma debandada em massa dos pais de alunos, que estão rescindindo o contrato de matrícula com a escola após receberem um vídeo com uma suposta agressão a uma das crianças. A agressora seria a própria dona e diretora da escola.

A imagem circulou por grupos de pais em um aplicativo de mensagens e teria sido divulgada por uma funcionária da escola. A denúncia está sendo investigada pelo Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente (Nucria). Oficialmente, o nome da escola não foi divulgado.

Na tarde da terça-feira (2), por volta das 15h, pelo menos quatro famílias foram até a escola para encerrar o contrato, entre elas a da podóloga Janaina Ribas Zak, 34 anos, mãe de uma menina de quatro anos. Ela deixou o local emocionada e preocupada com a situação. “Minha filha estuda aqui há dois anos. Nunca tivemos problema, mas não tenho como deixar minha filha aqui depois de saber o que aconteceu. Estou muito triste e sentida por ter que procurar outra escola, principalmente por causa dos amiguinhos da minha filha. Ela gostava de vir para aula”, disse a mãe.

Outros pais que deixaram o local, mas preferiram não dar entrevista, também estavam visivelmente emocionados. Eles carregavam os materiais dos filhos nas mãos. “Quase todos os pais estão encerrando a matrícula. Eles não conseguem segurar a emoção lá dentro da escola”, revelou Janaína, que cruzou com outros pais no interior da escola. A podóloga disse que muitos pais que vão trocar de escola nem sequer tiveram coragem de assistir ao vídeo, inclusive ela. “Prefiro não ver”.

O que diz a escola?

Em nota, a escola se posicionou por meio do advogado Helio da Silva Chin Lemos, cujo escritório foi contratado ainda no fim de semana, quando o vídeo com a suposta agressão começou a circular.

No posicionamento, a escola afirmou que “tem um histórico de mais de duas décadas comprometido com a educação e a formação de centenas de indivíduos”. A nota diz ainda que “a denúncia não define a conduta e a atuação da escola, a qualidade de seu histórico, nem a credibilidade de toda a equipe de profissionais que nela trabalham”. Assim como afirmado anteriormente, a escola informou que “os responsáveis estão à disposição das autoridades públicas para prestar todos os esclarecimentos necessários e se dedicam para, acima de tudo, preservar os alunos e conceder segurança no relacionamento com pais e prestadores de serviços envolvidos com a instituição”, finaliza a nota.

As investigações da denúncia seguem em segredo de justiça no Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente (Nucria), por envolverem crianças.

Redação com Tribuna do Paraná

Compartilhe:

Sobre o Autor

Talvez você também goste

Em crise de estresse, Dilma vai para o hospital Sírio-Libanês

Ante delação de Palocci e certeza de prisão preventiva eminente, Dilma Rousseff foi submetida a procedimento cardíaco. Um fato inquestionável é a prisão preventiva de Dilma Rousseff mediante delação premiada

Proxima b, planeta parecido com a Terra, pode ter oceanos

Ilustração mostra o planeta Proxima b orbitando ao redor da anã vermelha Proxima Centauri, vizinha mais próxima do Sol (Foto: ESO/M. Kornmesser) Um planeta rochoso descoberto na zona “habitável” da

Política 0 Comentários

LÍDER DE MOVIMENTO DIZ QUE FOI IMPEDIDO DE MANIFESTAR NO PLENÁRIO DA CÂMARA DE VEREADORES

Ricardo GIbram Barbosa, líder do grupo M.A.C.R.O. (Movimento Anti Corrupção Rondon), esteve presente novamente sessão da câmara nesta quarta feira dia (22). No entanto enquanto aguardava  a chegada de membros