Cancelamentos de serviços de telecomunicação podem ficar mais fácil

Cancelamentos de serviços de telecomunicação podem ficar mais fácil

Na hora de contratar um serviço de telecomunicação, o consumidor tem acesso a uma gama de facilidades, mesmo com o atendimento sendo feito por telefone ou pela internet. Porém, quando se pretende desfazer o negócio, é imposta uma série de dificuldades pelas operadoras, ainda que a lei garanta que qualquer pessoa tem direito a serviços de telecomunicação de qualidade em qualquer lugar do país. E caso o serviço não seja prestado da forma adequada, o contrato poderá ser rescindido, a qualquer tempo, e sem custo adicional ao consumidor.

Em virtude desses imbróglios, o deputado estadual Oscar Bezerra é autor do projeto de lei n° 1029/2019 que dispõe a obrigatoriedade das empresas prestadoras de serviços de telefonia,  de TV por assinatura, cartão de crédito e similares manterem em sua própria página na internet links que possibilitem ao consumidor realizar a suspensão ou o cancelamento de prestação de serviços. O descumprimento desta lei, se sancionada, acarretará advertência e multa, estimada inicialmente 10 UPFs (Unidades Padrão Fiscal de Mato Grosso).

“A obrigação não traz prejuízo ou ônus às prestadoras dos serviços, tendo em vista que já mantêm-se páginas na internet, bastando incluir um link específico para suspensão ou cancelamento dos serviços eventualmente contratados”, relatou Oscar.

Redação com assessoria

Sobre o Autor

Talvez você também goste

Brasil

CORREIOS À BEIRA DA FALÊNCIA REPASSAM 900 MIL EM PATROCÍNIO ESPORTIVO

Guilherme Campos deixou o comando dos Correios, para tentar a reeleição como deputado federal por São Paulo. No entanto Guilherme não sai da sala da Presidência da estatal. Esteve por

Notícias

CENSURA NO BRASIL: MINISTRO DO STF MANDA TIRAR REPORTAGEM SOBRE TOFFOLI

O ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), determinou que os sites da revista Crusoé e O Antagonista retirem do ar reportagem e notas publicadas na semana passada

Notícias

Cármen Lúcia reage à suposta investigação da Abin e afirma que espionagem é “própria de ditaduras

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, afirmou neste sábado (10), por meio de nota, que “é inadmissível” a possibilidade de um ministro da Corte ter sido