CÂMARA MIRA PROJETOS CONTRA MP E JUDICIÁRIO

CÂMARA MIRA PROJETOS CONTRA MP E JUDICIÁRIO

A Lei do Abuso de Autoridade, aprovada em setembro, é vista não como o fim, mas como prenúncio de um embate maior entre a Câmara e o Judiciário e o Ministério Público. De forma discreta, deputados preparam uma série de projetos que afetam e desagradam a juízes e procuradores.

Por que isso importa?

Projetos que os deputados planejam votar podem gerar um agravamento do confronto que existe entre Congresso, Judiciário e Ministério Público.

O movimento é tocado por líderes de partidos de médio porte. A maioria das medidas está na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e ataca privilégios de juízes e procuradores. Alguns projetos já andam, enquanto outras esperam um deputado disposto a assumir o posto de autor:

  • Quarentena – se quiserem disputar eleições, juízes, promotores e delegados terão de deixar o cargo com antecedência maior que os seis meses obrigatórios a todas as autoridades. Deputados estudam estabelecer um prazo de três anos;
  • Fim da aposentadoria compulsória – há projetos para acabar com a aposentadoria como punição máxima para magistrados. A ideia é que os juízes possam perder o cargo em casos mais graves;
  • Teto constitucional – deputados preparam um projeto de lei para regulamentar o teto salarial, a fim de torná-lo mais rígido. O teto é de R$ 39,3 mil, mas mais da metade dos magistrados recebe mais do que isso por mês, devido a benefícios e indenizações;
  • Férias – está na Comissão uma proposta para limitar as férias da magistratura a 30 dias por ano. Hoje, por lei, os magistrados têm 60 dias de férias, fora recessos, fins de semanas e feriados; 
  • Liminares – deputados estudam impor um prazo para que o plenário do Supremo Tribunal Federal julgue liminares monocráticas concedidas por ministros. Esse projeto, no entanto, sofre mais resistência porque pode soar como afronta ao Supremo. 

O deputado Fabio Trad (PSD-MS), um dos idealizadores do movimento, afirma que muitas das pautas unem parlamentares da esquerda à direita. “Eu não diria que há um descontentamento com o Judiciário”, diz. “O que existe é a disposição do Legislativo de contribuir para o equilíbrio dos poderes, corrigindo eventuais excessos e abusos.” 

Apesar do inevitável impacto negativo sobre a magistratura e o MP, Trad garante que as iniciativas não são uma forma de punir o Judiciário ou enfraquecer investigações, mas serviriam para equilibrar a atuação dos três poderes.

Um dos líderes do movimento, o deputado Paulinho da Força (SDD-SP) prevê ampla maioria para as matérias, principalmente para a quarentena de magistrados e promotores. “Isso é quase unanimidade”, comenta.

Projetos para o fim das férias de 60 dias e a regulamentação do teto salarial estão mais adiantados e já caminham na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). “O (projeto) da quarentena ainda não foi protocolado. Nos outros casos, ou estamos à espera do voto dos relatores, ou vamos aguardar até que a gente possa limpar a nossa pauta, que tem hoje 120 itens”, explica o presidente do colegiado, Felipe Francischini (PSL-PR). Ele afirma que os casos irão a votação e antecipa que não impedirá a discussão de nenhuma matéria. 

Não por acaso, os temas dos projetos dos deputados atacam pontos tão caros aos magistrados, quanto impopulares. Férias extensas, punições pouco rígidas e salários altos são citados pelas pessoas como privilégios de juízes e procuradores. É o Congresso jogando para a torcida.

O clima em relação ao Judiciário piorou bastante no Congresso após a operação de busca e apreensão da Polícia Federal, autorizada pelo ministro Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, no gabinete do senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), líder do governo, no mês passado.

O presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), Fernando Mendes, vê com preocupação a existência de um movimento para “esvaziar e criminalizar a atividade judicial”. “Com uma magistratura enfraquecida, vamos ter uma sociedade sem um Judiciário que cumpra seu papel, que é o de atuar de maneira independente”, diz. 

Redação com Vortex

Sobre o Autor

Talvez você também goste

Mato Grosso 0 Comentários

ATRASO NA ENTREGA DO “RG” PREJUDICA POPULAÇÃO DO MT

Nos postos do Instituto de Identificação espalhados pelo interior do Mato Grosso em especial em Rondonópolis, acontece um problema que vem causando sérios prejuízos à população. Trata-se da grande demora

Notícias 0 Comentários

MEDEIROS SERÁ BOLSONARO NA DISPUTA PELA PREFEITURA DE RONDONÓPOLIS

O presidente da república Jair Bolsonaro deverá indicar o Vice-líder do governo, deputado federal José Medeiros (Podemos) como o nome como pré-candidato à prefeitura de Rondonópolis-MT. A segunda economia do

Destaques 0 Comentários

Ministra dos Direitos Humanos sondada por Bolsonaro é contra aborto e contra bandidagem

Seria a primeira vez na história brasileira que uma líder evangélica alcançaria uma posição como essa. A advogada e pastora Damares Alves está sendo sondada para ser a Ministra da

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Você pode ser o primeiro a comente este post!

Deixa uma resposta