Foto:Diego Utida Auditor Geral de Rondonópolis deverá deixar controle interno por decisão do TJ

Auditor Geral de Rondonópolis deverá deixar controle interno por decisão do TJ

Uma decisão do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), fará com que os prefeitos municipais sejam obrigados a exonerar seus indicados políticos dos cargos de auditores do controle interno. A ação Direta de Inconstitucionalidade (Adim), foi impetrada pela Associação dos Auditores e Controladores Internos dos Municípios de Mato Grosso (AUDICOM-MT) e julgada procedente.

Em Rondonópolis o Auditor Geral de Rondonópolis, José Fabrício Roberto será alcançado pela decisão por não possuir a formação técnica para ocupar o cargo. Com a decisão do TJ, o cargo deve ser exercido mediante a concurso público e “exclusivos aos pertencentes à carreira de controlador/auditor interno municipal”.

Ele não será o único em outros municípios; como Várzea Grande,Cáceres, Barra do Garças e Cuiabá os controles internos estão nas mãos de aliados políticos e também serão trocados.  

A AUDICOM- MT havia muito tempo lutava para que a nomeação de pessoas em cargos de comissão para a função de controlador-geral e demais pertencentes à Unidade de Controle Interno, fosse extinta.

Redação

Talvez você também goste

Brasil

Operação Arnold – Homem comercializava substâncias proibidas utilizando os Correios

A Polícia Federal deflagrou nesta sexta-feira (29/5/2020) a denominada OPERAÇÃO ARNOLD, no intuito de combater o tráfico de substâncias proibidas. Estão sendo cumpridos dois mandados judiciais, na cidade de Ariquemes/RO,

Notícias

COVID -19: 4 casos confirmados e 42 suspeitos em Rondonópolis

A Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde informa que Rondonópolis conta com quatro casos confirmados de Covid-19 (coronavírus) e 42 suspeitos. Entre os casos confirmados, três pacientes têm entre

Mato Grosso 0 Comentários

EMERSON ANTONIOLLI É PRÉ- CANDIDATO A PREFEITURA DE SINOP

O empresário Emerson Antoniolli do PSL é um dos pré-candidatos à Prefeitura de Sinop. “Gostaria que fosse (Felipe Guerra), mas diante do seu recuo, conversando com as lideranças de Sinop,