As promessas vazias do socialismo

As promessas vazias do socialismo

Por Patrick Tyrrell e Anthony B. Kim

Quais são os custos de adotar o socialismo? É uma boa pergunta, e uma não é feita com a frequência necessária.

Mas um novo relatório do Conselho de Assessores Econômicos da Casa Branca faz a pergunta. A resposta? O socialismo destrói vidas e sociedades.

O registro histórico é claro: em todos os lugares em que foi tentado, o socialismo causou danos. É algo que deve ser ensinado para as novas geração.

Os socialistas norte-americanos, como o senador Bernie Sanders e Alexandria Ocasio-Cortez, ignoram a miséria que o socialismo causou em países como a União Soviética, a Coréia do Norte e a Venezuela. Eles afirmam que querem o socialismo sem ditadura ou brutalidade estatal.

Mas mesmo que isso fosse alcançado, o socialismo ainda falharia. Como o relatório da Casa Branca aponta:

A implementação democrática da política socialista não elimina os problemas fundamentais de incentivo e informação criados por altos impostos, grandes organizações estatais e o controle centralizado de recursos.

Em um país socialista, a maior parte da riqueza criada pelos trabalhadores é controlada pelo governo, não por aqueles que trabalharam para criá-lo. O problema do incentivo é óbvio: se o que você ganha vai ser gasto pelo governo e não por você, por que se preocupar em ganhá-lo em primeiro lugar?

Em segundo lugar, por mais puros que sejam os burocratas do governo, suas escolhas de gastos tendem a ser tão benéficas para os trabalhadores como se tivessem tomado as decisões por si mesmos? É impossível garantir isso, mesmo que você desconsidere completamente a possibilidade de ganância burocrática ou corrupção.

Mais uma vez, o registro histórico é instrutivo. Quando pequenas propriedades familiares foram tomadas pelo governo e reembaladas em gigantes cooperativas administradas pelo governo na China e na União Soviética, menos comida foi produzida, não mais, e ambos os países sofreram fome em massa.

Além disso, quando os impostos do governo são exorbitantes, os trabalhadores são atingidos diretamente e têm maior probabilidade de perder seus empregos. Quanto mais as pessoas puderem reter os frutos de seu trabalho, mais elas poderão melhorar suas próprias vidas e as vidas de suas famílias.

A liberdade econômica está conectada a uma série de outros benefícios. Conforme documentado pela Heritage Foundation, países com níveis mais altos de liberdade econômica desfrutam de produto interno bruto per capita mais alto, níveis mais baixos de pobreza, avanços educacionais e tecnológicos, meio ambiente mais limpo, dinamismo e inovação nos negócios, melhores resultados de saúde, longevidade e progresso social.

Mas o socialismo trabalha diretamente contra a liberdade econômica e, portanto, ameaça cada um desses benefícios.

O registro histórico não permite lançar um olhar gentil sobre o socialismo. Durante o século XX, milhões de pessoas morreram de fome nos sistemas socialistas, e outros milhões foram exterminados por líderes socialistas desesperados para manter o controle.

O socialismo promete muito, mas oferece pouco. A solução comprovada para eliminar a pobreza e criar prosperidade sustentável é adotar reformas de livre mercado. O capitalismo é o caminho a percorrer.

Kay Coles James, presidente da Heritage Foundation, escreveu recentemente:

Da Albânia e Angola ao Vietnã e Iêmen, o socialismo produziu pouco além de violência, fome e miséria. Contraste que, com a experiência daqueles que vivem em sociedades capitalistas, onde os direitos são protegidos, a duração da vida é maior e as pessoas desfrutam de um padrão de vida mais elevado.

O fascínio do socialismo é uma miragem que cada nova geração será tentada a correr em direção a menos que lhes seja dito a verdade sobre seu legado de fracasso.

Mas, em vez disso, os jovens americanos são bombardeados com retratos mal-intencionados dos fracassos do capitalismo, como visto recentemente até em revistas para meninas que estão na puberdade e frequentemente retratados em desenhos animados, filmes e em toda a cultura pop.

O relatório da Casa Branca conclui:

O Conselho de Assessores Econômicos não espera que as políticas socialistas causem escassez de alimentos nos Estados Unidos, porque os socialistas não estão mais propondo a nacionalização da produção de alimentos. Em vez disso, a experiência histórica com a agricultura é relevante porque envolveu desincentivos econômicos, planejamento central e um monopólio estatal sobre um setor que era grande quando o socialismo foi introduzido, similar aos cuidados com a saúde hoje. A evidência histórica sugere que um programa socialista para os EUA traria escassez, ou degradaria a qualidade de qualquer produto ou serviço colocado sob monopólio público. O ritmo da inovação diminuiria, e os padrões de vida geralmente seriam mais baixos. Estes são os custos de oportunidade do socialismo de uma perspectiva americana moderna.

Uma expressão antiga diz: “Você não valoriza o que tem até perder.” Isso pode se aplicar à liberdade econômica nos Estados Unidos, a menos que parem de empurrar a narrativa vinda de nossas elites culturais que favorecem o socialismo.

O novo relatório da Casa Branca é um esforço digno para esse fim.

Redação com Gazeta do Povo

Talvez você também goste

Fux determina prisão de Battisti; decisão pode facilitar extradição

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux determinou hoje (13) a prisão do italiano Cesare Battisti, condenado à prisão perpétua em seu país. A íntegra da decisão ainda

Destaques 0 Comentários

BOLSONARO LIDERA O FRONTE DOS PARLAMENTARES ASSUMIDAMENTE DE DIREITA

Temas polêmicos que trazem vários debates na sociedade brasileira fazem parte da agenda dos principais ícones da direita e podemos exemplificar: As cotas raciais, demarcação de terras indígenas, as políticas

Destaques 0 Comentários

JACIARA: MORADORES TAPAM BURACOS E CORTAM GRAMA, POR CONTA PRÓPRIA

Cansados de esperar, moradores de Jaciara-MT (127 Km de Cuiabá) resolveram arregaçar as mangas e tapar os buracos nas vias da cidade por conta própria. Em vídeos que circulam nas