A volta do Senador da cueca  constrange colegas

A volta do Senador da cueca constrange colegas

A licença tirada pelo senador Chico Rodrigues (DEM-RR), termina nesta quinta-feira (18, flagrado pela Polícia Federal em outubro com dinheiro na cueca. Líderes partidários no Senado preveem “constrangimento” com o eventual retorno do político sem que a situação tenha sido esclarecida. (Ouvidos pelo G1)

Na avaliação dos parlamentares, Chico Rodrigues ainda não deu as explicações necessárias sobre o malote de R$ 33 mil que escondeu nas roupas íntimas durante operação da PF. O caso nunca chegou a ser analisado pelo Conselho de Ética e Decoro Parlamentar – que se reuniu pela última vez em setembro de 2019.

Líder do Cidadania no Senado, Alessandro Vieira (SE) classificou o episódio com Chico Rodrigues como “fato grave” ocorrido no exercício do mandato parlamentar. Vieira diz que o retorno é possível, já que não há decisão judicial para afastar o colega do mandato, mas defende a análise no Conselho de Ética.

“Sem dúvida gera um constrangimento, especialmente pela falta de esclarecimento. Quem pode solicitar os documentos relativos à operação

, para compreender exatamente as circunstâncias, é o Conselho de Ética, que tem essa obrigação. A gente representa o país, por mais que você tenha uma simpatia eventual pelo colega, a responsabilidade pela instituição é maior”, diz Vieira.

O líder do Cidadania afirmou ao G1 que pedirá a instalação do Conselho de Ética em uma reunião de líderes com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

Uma representação sobre o caso já foi apresentada ao colegiado pelo Cidadania e pela Rede, mas o documento nunca foi analisado. Líder da oposição, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) diz que a volta do parlamentar sem o processo no Conselho de Ética “deteriora” a imagem do Senado.

“É muito inadequado. É muito constrangedor. Tem de ser instaurado o procedimento [no Conselho de Ética]. Isso seria o ideal”, afirmou Randolfe.

A assessoria de Chico Rodrigues não informou se o parlamentar retomará as atividades ou apresentará novo pedido de licença. Como a solicitação anterior foi feita em 2020, em tese, o senador pode renovar a licença com a mudança de ano.

Quando um parlamentar se licencia por motivos particulares, deixa de receber salário, mas segue com imóvel funcional e plano de saúde.

Redação com G1

Sobre o Autor

Talvez você também goste

DELAÇÃO ENVOLVE MINISTRO DO TCU

Segundo a delação premiada de Luiz Carlos Velloso, ex-subsecretário de Transportes do Rio de Janeiro, não atinge apenas seu ex-chefe, o deputado Julio Lopes. As informações são do blog de

Destaques

MP no encalço: Quer bloqueio de R$ 227 mil de Pátio por superfaturamento na saúde

O Ministério Público do Estado (MPMT) ingressou com uma ação civil pública no Poder Judiciário de Mato Grosso pedindo o bloqueio de R$ 227,3 mil do prefeito de Rondonópolis (216

Brasil

Gás natural|Maior oferta reduziria custos de produção em MT, aponta pesquisa

Apesar do contrato ativo com a Bolívia para fornecimento de gás natural, a quantidade que chega ao Mato Grosso não é suficiente para atender a demanda. Quase todo o combustível