1970: O ANO QUE JUNTOU FUSCAS, COPA DO MUNDO E O STF

1970: O ANO QUE JUNTOU FUSCAS, COPA DO MUNDO E O STF

Ao final dos 90 minutos, o placar de 4×1 não deixava dúvidas: a taça Jules Rimet teria uma nova casa – o Brasil. Em 1970, em plena ditadura militar, a seleção canarinho trouxe diretamente do México para terras tupiniquins o gosto de ser o país tricampeão mundial, mostrando ao mundo ser possível jogar bonito e vencer.

No entanto, parece que a taça de 3,8 kg em ouro puro não foi o bastante para a comemoração da vitória do Brasil sobre a Itália. Isso porque no dia 20 de abril de 1970 o então prefeito de São Paulo, Paulo Maluf, presenteou com 25 fuscas a delegação brasileira, incluindo, além do time titular, os reservas, o técnico, o preparador físico e o massagista.

Para a homenagem ser possível, Maluf sancionou a lei Volkswagem, que liberou Cr$ 315 mil para a compra dos veículos com verba da municipalidade. O projeto, embora aprovado na época, não teve quórum mínimo dos votos dos vereadores, mas mesmo assim, Maluf promulgou a lei e deu as 25 chaves para a delegação brasileira.

Começava aí um impasse que se arrastaria por 36 anos. O ato do então prefeito de São Paulo foi alvo de uma ação popular proposta pelo advogado Vergilio Egydio Lopes Enei em nome de vários contribuintes paulistanos. E os “singelos” presentes chegaram até a Suprema Corte por meio do RE 77.205.

A primeira decisão do STF, em 1974, condenou Paulo Maluf a devolver à prefeitura o dinheiro gasto com os automóveis, pois entenderam que além de ser um ato lesivo aos cofres públicos, a lei que autorizou a liberação do dinheiro não respeitou o quórum mínimo, conforme previsto na lei orgânica do município.

“Oportunistas usaram o episódio politicamente e fui muito criticado na época, mas Jesus Cristo também não foi reconhecido na terra.” (Fala de Maluf em 1994 sobre o episódio dos fuscas)

Os advogados do ex-prefeito entraram com embargos contra a decisão do Supremo, mas foram negados pelo ministro Cordeiro Guerra. Então, em 1981, o plenário do STF determinou que Maluf fizesse o pagamento dos fuscas com juros e correção monetária, já que se tratava de ato ilícito.

A execução do processo demorou e Maluf depositou o dinheiro em juízo. O ex-prefeito recorreu da decisão por meio de uma ação rescisória e em 1995, por 6 a 2, o STF entendeu que a ação de Maluf era procedente. O ex-prefeito alegou não cabia um recurso extraordinário quando uma lei Federal era violada por meio de uma lei local. Assim, os ministros revogaram a decisão por entenderem que ela foi baseada apenas em análise de normas locais.

Em 1998, o STF negou agravo interposto pelo advogado Vergilio Egydio Lopes Enei e em 2002 rejeitou os embargos infringentes. Nas idas e vindas das decisões entre recursos, Maluf conseguiu o que queria e mostrou que não devia mais nada aos cofres públicos. Foi em 2006 que o processo transitou em julgado e desobrigou definitivamente a devolver o dinheiro dos fuscas doados aos jogadores da seleção brasileira.

Fonte: Migalhas

Sobre o Autor

Talvez você também goste

Destaques 0 Comentários

Duas crianças tem a perna `rasgada´ em escada rolante em shopping de Curitiba

Um laudo emitido em 29 de novembro de 2019 atesta várias irregularidades encontradas na escada rolante do Shopping Ventura, à Rua Itacolomi, no Portão, em Curitiba, onde mais uma criança

COMÉRCIO DE RONDONÓPOLIS FECHA AS PORTAS EM APOIO AOS CAMINHONEIROS

Uma decisão tomada de forma voluntária por comerciantes de Rondonópolis,nesta segunda-feira (28) começou a tomar proporção e adesão nas redes sociais. Eles decidiram fechar as portas a partir das 15h

Destaques

Quatro foragidos são capturados em Rondonópolis, Sinop, Guarantã do Norte e Guiratinga

Policiais militares descobriram quatro homens com mandados de prisão em aberto de sexta-feira a segunda-feira (23 a 26.10). Em Sinop, o foragido foi encontrado durante uma abordagem de rotina no

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Você pode ser o primeiro a comente este post!

Deixa uma resposta