PRIMAVERA DO LESTE CONSEGUE SE SOBRESSAIR DIANTE A CRISE

PRIMAVERA DO LESTE CONSEGUE SE SOBRESSAIR DIANTE A CRISE

Mesmo com falta de repasses por parte do governo anterior, contas seguem em dia e pagamentos de servidores de Primavera do Leste são antecipados

Leonardo Bortolin -Prefeito de Primavera do Leste

O Estado de Mato Grosso vive um momento complicado para a economia. As prefeituras sentiram o impacto do período de transição de governo, momento em que a máquina pública trava após um considerável tempo de falta de repasses aos municípios. Isso acarretou atraso de salários e décimo terceiro, dentre outros problemas explorados pela mídia ao decorrer do ano passado.

Exemplos claros são as intervenções que o governo terá de fazer em algumas Prefeituras e o escalonamento para o pagamento de décimo terceiro dos servidores públicos estadual. São os assuntos do momento.

Em meio a tantas notícias desestimuladoras sobre economia de Mato Grosso, há aqueles municípios que conseguiram se sobressair e não registraram problemas com o Tribunal de Contas do Estado (TCE), e também conseguiram deixar em dia os débitos municipais e compromissos financeiros com os servidores.

Primavera do Leste é uma dessas cidades que se destacam por ir contra a realidade da maioria dos municípios do Estado. Com uma economia regida pelo agronegócio e o comércio forte, tanto o décimo terceiro dos funcionários públicos quanto o último pagamento da folha salarial de 2018 foram pagos antecipadamente.

Conforme afirmação de Léo Bortolin, o prefeito da cidade, o décimo terceiro de todos os servidores estava em caixa desde o mês de junho. Ele entende que a garantia desse direito é fundamental. Com previsão para pagamento em 20 de dezembro, o abono foi antecipado para o dia 14, e o salário que corriqueiramente é depositado para os servidores no último dia útil do mês, estava na conta dos funcionários no dia 20 de dezembro.

Ainda de acordo com o chefe do Poder Executivo de Primavera do Leste, todas as notas faturadas em 2018 foram liquidadas, e mesmo assim a Prefeitura fechou o ano com um saldo de mais de R$ 10 milhões, verba que segundo Léo Bortolin deve ser investida em novas obras para o município.

Com falta de repasses do governo estadual, principalmente na área da saúde, os débitos do Estado para com Primavera do Leste chegam a quase R$ 8 milhões. Nem por isso os serviços da Saúde paralisaram. A UTI da cidade que atende o Sistema Único de Saúde (SUS) continua em funcionamento, assim como as demais atividades do setor.

O que para alguns gestores pode parecer milagre nesse momento de recessão, para Léo Bortolin o sucesso financeiro da máquina pública do município provém de uma boa economia local causada pelas principais fontes geradoras de renda – a produção agrícola e atividade comercial – e estratégia de gestão.

“Mesmo tendo desgastes com servidores, em um ano conseguimos fazer cortes para fazer economia. Retiramos o pagamento de funções gratificadas (FG) e também de horas extras. Congelamos a liberação de férias e licenças prêmio por um determinado período, para que tivéssemos condições de arcar com nossas responsabilidades fiscais impostas por lei. Hoje temos como resultado o fechamento de 2018 com as contas em dia e servidores com a situação financeira ordenada”, explica o prefeito.

Redação com Assessoria

Compartilhe: