O MISTÉRIO DO PREÇO DOS COMBUSTÍVEIS EM RONDONÓPOLIS

O MISTÉRIO DO PREÇO DOS COMBUSTÍVEIS EM RONDONÓPOLIS

Morar em Rondonópolis entre outras coisas é conviver com o elevado preço dos combustíveis, quem abastece seu veículo no município paga o 2ºmaior valor do estado do MT e um dos maiores do Brasil.

O litro da gasolina custa em média R$ 4,83 podendo chegar a R$ 4,99 e se o consumidor estiver disposto a pesquisar poderá encontrar a R$ 4,69. O litro do etanol tem em média R$3,00 e pode ser encontrado a R$ 2,96 após algumas pesquisas.

Dessa forma o consumidor já está acostumado a pagar o combustível mais caro que em muitas cidades de Mato Grosso, inclusive a capital.

O valor mais em conta foi encontrado na capital, onde o preço médio do litro da gasolina sai por R$ 4,60 e pode ser encontrado com valor de até R$ 4,47, no posto mais caro a gasolina é vendida por R$ 4,69. O etanol mais barato custa R$ 2,63 e o litro mais caro chega a R$ 2,89.

A pergunta recorrente é porque os postos de combustível em Rondonópolis não conseguem praticar preços melhores?

Segundo as várias tentativas de explicação uma delas são os elos da cadeia de comercialização de combustíveis (Petrobras, distribuidoras e postos), onde quase 50% dos preços dos combustíveis é tributo.

No Estado, o município que apresenta a média de preço mais alta é Alta Floresta (795 KM de Cuiabá), onde o preço médio do litro da gasolina chega a R$ 4,99.

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) quer saber das distribuidoras por que os preços dos combustíveis não caem nas bombas na mesma proporção que nas refinarias da Petrobrás.

Pelas contas da agência reguladora, o litro da gasolina vendido pela estatal ficou R$ 0,51 mais barato nos últimos dois meses, mas as distribuidoras só repassaram R$ 0,26 dessa queda e, para os motoristas, a redução não passou de R$ 0,10

O preço da gasolina começou a cair nas refinarias da Petrobrás no dia 25 de setembro, seguindo movimento do mercado internacional.

O consumidor Rondonopolitano exige uma explicação seja do PROCON, MP ou até mesmo da N.A.S.A.

Afinal o que não podemos aceitar é o mistério que paira sobre o preço do combustível na  terceira maior cidade do estado do MT.

Por enquanto Marreta Neles!

Compartilhe: