Foto: A Tribuna MAURO MENDES NOMEIA INTERVENTOR NO HOSPITAL REGIONAL DE RONDONÓPOLIS

MAURO MENDES NOMEIA INTERVENTOR NO HOSPITAL REGIONAL DE RONDONÓPOLIS

O governador Mauro Mendes anunciou que nesta quarta-feira, 2, o secretário de Saúde, Gilberto Figueiredo, viaja à tarde para Rondonópolis, onde oficializará uma intervenção do Estado no Hospital Regional Irmã Elza Giovanella e, para tanto, nomeará um interventor “técnico, que até pode ser daquela cidade”, informou o site Boamídia.

O secretário informou ainda que nem se trata mesmo de intervenção, pois o contrato do governo com a OSS Instituto de Gestão em Saúde Gerir, de Goiás, que administrava o hospital “venceu”. E desde 27 de novembro a juíza da Primeira Vara Federal de Rondonópolis, Karen Regina Okubara, determinou o afastamento do Gerir da administração do Hospital Regional e entregou sua gestão ao governo.

O hospital, que enfrenta problemas de caixa e inclusive não quitou todos os compromissos salariais com seus funcionários no ano passado. No despacho a juíza proibiu qualquer transferência de recursos do governo para o Gerir, dessa forma o novo secretário terá que encontrar uma equação para sanear a situação. Quem responde pela direção do hospital é Onair Azevedo Nogueira, com a chancela do governo.

O Governo e a Gerir

Um diz que paga outro sustenta que não recebe pela gestão. Enquanto isso o hospital experimenta o efeito sanfona – abre e fecha, fecha e abre – o que reduz sua capacidade e rapidez no atendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) em 19 municípios da região.

A viagem de Figueiredo a Rondonópolis não foi comunicada à classe política da cidade. Questionado sobre a ausência de representantes do município na ação para sanear o hospital, Gilberto Figueiredo respondeu “Sou secretário técnico. Posso até conversar com eles (a classe política) em outro fórum, mas nesse caso, não”, resumiu.

A disposição do secretário em manter a classe política fora é tanta, que nem mesmo o prefeito de Poxoréu, Nelson Paim, foi comunicado. Paim preside o Consórcio Regional Sul de Saúde, que engloba Rondonópolis. Depois desse posicionamento Figueiredo encolheu parcialmente. Disse que havia conversado com vereadores e deputados eleitos sobre a situação do hospital, mas antes de tomar a decisão que anunciou.

Redação

Compartilhe: