Justiça Federal suspende decreto que incluiu igrejas e casas lotéricas como ‘serviços essenciais’

Justiça Federal suspende decreto que incluiu igrejas e casas lotéricas como ‘serviços essenciais’

A 1ª Vara Federal de Duque de Caxias suspendeu a aplicação do decreto de Bolsonaro que incluiu igrejas e casas lotéricas como serviços essenciais e que, portanto, poderiam funcionar normalmente durante a quarentena. “O acesso a igrejas, templos religiosos e lotéricas estimula a aglomeração e circulação de pessoas”, escreveu o juiz federal na decisão.


Bolsonaro havia publicado a medida no Diário Oficial da União de ontem. 
A decisão de hoje foi em resposta a uma ação civil pública, com pedido de liminar, movida pelo procurador Julio José Araujo Junior, do Ministério Público Federal.


No documento, o juiz federal Márcio Santoro Rocha escreve que é “nítido que o decreto coloca em risco a eficácia das medidas de isolamento e achatamento da curva de casos da covid-19, que são fatos notórios e amplamente noticiados pela imprensa, que vem, registre-se, desempenhando com maestria e isenção seu direito de informar”. 


O juiz ponderou ainda que “tais medidas são fundamentais para que o Sistema de Saúde — público e privado — não entre em colapso, com imprevisível extensão das consequências trágicas a que isso pode levar”.

Redação com O GLOBO

Sobre o Autor

Talvez você também goste

Notícias

Delivery ganha força como opção mais atrativa de vendas durante pandemia

Os setores de comércio e serviço tiveram grande impacto financeiro com a pandemia da Covid-19. Muitos estabelecimentos se viram obrigados a fechar às portas por determinação das autoridades competentes, a

Destaques 0 Comentários

Militar da FAB Preso com drogas já trabalhou com Temer e Dilma

O segundo-sargento Manoel Silva Rodrigues, da Força Aérea Brasileira, foi preso em Sevilha, na Espanha, por tráfico de drogas. Ele estava no avião reserva da Presidência e fazia parte da

Destaques 0 Comentários

MPE: MIRA PREFEITURA DE RONDONÓPOLIS POR IRREGULARIDADES NA “CARAVANA DA TRANSFORMAÇÃO”

A Justiça declarou a nulidade do credenciamento da empresa 20/20 Serviços Médicos SS, realizado sem licitação pelo município de Rondonópolis, para prestação de serviços oftalmológicos. O contrato é de cerca