DEPUTADOS NININHO, BOTELHO, ZECA, WANCLEY E PREFEITO SÃO INVESTIGADOS NA OPERAÇÃO “DÉJA VU”

DEPUTADOS NININHO, BOTELHO, ZECA, WANCLEY E PREFEITO SÃO INVESTIGADOS NA OPERAÇÃO “DÉJA VU”

Os alvos da Operação Déjá Vu, os deputados estaduais Nininho (PSD), Zeca Viana(PDT) e Wancley Charles Rodrigues de Carvalho (PV) e o presidente da Assembleia, Eduardo Botelho(DEM), são suspeitos desvio de aproximadamente R$ 500 mil com o esquema de emissão de supostas notas frias para ‘justificar’ gastos inexistentes e desviar dinheiro das verbas indenizatórias.

Além deles o ex-deputado José Riva e o ex-deputado Emanuel Pinheiro(MDB) atual prefeito de Cuiabá também aparece na lista da operação realizada Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio do Núcleo de Ações de Competência Originária (NACO – Criminal), e Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (GAECO).

Segundo o MP 90 notas frias foram identificadas e assim o esquema se daria através da emissão das notas em que o emissor da nota receberia 10% do valor constante.

Os pedidos de busca e apreensão foram feitos nos autos de inquérito policial instaurado a partir do desdobramento de investigação em trâmite no Supremo Tribunal Federal (STF) e com base em depoimentos de servidores e pelo menos quatro homens identificados pelo Ministério Público como responsáveis pelas empresas envolvidas no esquema: GB de Oliveira Comércio ME, HC da Costa Campos e Cia Ltda ME, VPS Comércio ME e VH Alves Comércio ME que confirmaram que emitiam notas frias para alguns parlamentares e que jamais entregaram materiais.

”Existe um depoimento de uma pessoa dizendo que forneceu nota fria e entregou para prestação de contas. Eles (promotores do Gaeco) pediram uma solicitação e nós informamos que essa nota não existe. Aí, há uma dúvida que não estamos querendo entregar (a nota) e então eles vieram aqui buscar”. Declarou Botelho.

A partir de agora, o MPE analisará os documentos para definir os rumos e as medidas a serem adotadas. As investigações buscam a obtenção de provas para apuração dos crimes de associação criminosa, supressão de documentos e peculato.

Redação com O Livre

Compartilhe: