CRIME AMBIENTAL: FLAGRANTE DE LIXO JOGADO EM TERRENO EM RONDONÓPOLIS

CRIME AMBIENTAL: FLAGRANTE DE LIXO JOGADO EM TERRENO EM RONDONÓPOLIS

Enquanto muitos vem se esforçando para resolver as questões ambientais, uma parte dos cidadãos infelizmente anda na contramão em Rondonópolis.

Um exemplo claro disso, é visível às margens das ruas, estradas e terrenos baldios, onde grande quantidade de lixo está sendo depositada irregularmente.

A reportagem do Marreta Urgente, recebeu várias denúcias de desrespeito ao meio ambiente, inclusive recebeu as fotos do momento em que um cidadão cometia a infração.

Infelizmente esse problema foi registrado no Bairro Dom Osório, quase sempre os autores acabam impunes por falta de constatação e falta de cooperação da própria população, que não denuncia os infratores.

O deplorável hábito de jogar lixo às margens de estradas e em terrenos baldios acontece em vários locais no município, basta que alguém inicie para que em pouco tempo o volume de lixo e entulho aumente cada vez mais.

Na maioria das vezes não são as pessoas do local, mas de outros locais que tentam encontrar um “jeitinho” prático de se livrar do lixo sem ter que arcar com suas responsabilidades ambientais.

Jogar lixo urbano, sucatas e até galhos e entulhos às margens das rodovias pode acarretar em multa e até responsabilização criminal do autor, com enquadramento na legislação ambiental.

A foto foi encaminhada ao secretário de Meio Ambiente de Rondonópolis, João Fernando Copetti Boher, que vai providenciar uma investigação sobre o fato e responsabilizar o autor.

“É uma vergonha o que fazem aqui.  As pessoas vêm, depositam o seu lixo e simplesmente ignoram o cuidado com o meio ambiente”. Disse o secretário.

Além de causar péssimo aspecto, mau cheiro e atrair vetores de doenças, jogar lixo em terrenos baldios, em margens de estradas e rodovias, ou mesmo em cursos d’água é crime ambiental estando sujeito à multa e/ou detenção uma contravenção penal prevista no artigo 54 da Lei 9.605/98 que aplica pena de reclusão de 1 a 4 anos e multa.

 

Redação

Compartilhe: